Ginecologia

Resumo sobre progesterona (completo) – Sanarflix

Resumo sobre progesterona (completo) – Sanarflix

Compartilhar

SanarFlix

5 min há 397 dias

Definição

A progesterona é um hormônio natural  pertencente à classe de hormônios esteróides. A principal característica da progesterona natural produzida no organismo é a capacidade de exercer efeitos progestacionais ligados às modificações necessárias para a manutenção da gravidez. A progesterona natural é produzida normalmente pelo corpo lúteo, pela placenta e em pequenas quantidades pelo córtex adrenal.  A progesterona ação sobre o útero, a vagina, o colo do útero, as mamas, o cérebro, os vasos sanguíneos e os ossos. 

Composição química e mecanismo de ação da progesterona     

Os progestagênios são uma classe de hormônios esteroides derivados do colesterol que contém 27 átomos de carbono. Podem ser classificados em naturais e sintéticos. Os naturais são apenas a progesterona e a 17-hidroxiprogesterona.  Os progestagênios têm efeito protetor endometrial por diminuir a atividade mitótica nuclear induzida por estrogênios e pelo aumento de 17- hidroxidesidrogenase que converte o estradiol em estrona, biologicamente menos potente.

A progesterona circula ligada à transcortina (CBG) ou à albumina e somente pequenas quantidades estão livres no plasma. Essa ligação com as proteínas carreadoras protege os hormônios esteroides de uma rápida metabolização hepática prolongando, dessa forma, sua meia-vida. 

Papel da progesterona no corpo    

A progesterona tem ações em múltiplos sistemas do corpo:

  1. Faz feedback negativo para o hipotálamo junto com o estrogênio, inibindo a ovulação quando em níveis altos;
  2. Interrompem o acúmulo do endométrio causado pelo estrogênio e reduz a produção de muco cervical;
  3. Estimulam a secreção das glândulas endometriais, preparando, concomitantemente, todo o endométrio para a possível implantação de um óvulo fertilizado;
  4. Sustenta a gravidez inicial e a mantém de forma contínua, além de diminuir as contrações uterinas durante a gravidesz;
  5. Estimulam o desenvolvimento das glândulas mamárias durante a gravidez para a lactação; e 
  6. Tem ação inibitória sobre a atividade intestinal, sendo responsável pelas queixas frequentes de constipação relatado pelas gestantes. 

Papel da progesterona no ciclo menstrual

O ciclo ovariano corresponde ao desenvolvimento dos folículos que produzem estrogênios sob o estímulo do FSH, ovulação (pico do LH) e formação do corpo lúteo, com secreção de progesterona. 

A progesterona, que, no início do ciclo, apresenta níveis muito baixos, tem sua expressão maior logo após a ovulação, passando a ser produzida pelo corpo lúteo. Ela é o principal hormônio durante a fase secretória, que ocorre logo após a ovulação, estimulando a secreção das glândulas endometriais, preparando, concomitantemente, todo o endométrio para a implantação do ovo. 

Se o óvulo não é fertilizado, o corpo lúteo degenera, os efeitos progestacionais declinam e surgem alterações vasculares acentuadas que ocasionam a isquemia da camada funcional.

Ciclo menstrual

Papel da progesterona durante a gestação

Embora a placenta comece a sintetizar progesterona bem no início da gestação, antes de 8 a 9 semanas, a progesterona produzida pelo corpo amarelo gravídico é indispensável para o êxito da implantação e da placentação e, portanto, para a manutenção da gravidez. Após essa época, a progesterona placentária é suficiente para manter a gravidez, mesmo na ausência do ovário (transferência luteoplacentária).

A progesterona produzida pelo trofoblasto é fundamental para a quiescência do miométrio ao reduzir o número dejunções comunicantes existentes entre as células miometriais, indispensáveis para o sincronismo da contratilidade uterina, assim como para inibir a síntese de prostaglandinas. A produção de progesterona aumenta progressivamente com a evolução da gravidez, alcançado o seu máximo (300 mg/dia) poucas semanas antes do parto. 

Contracepção com progesterona

As pílulas só de progestógeno são uma opção para mulheres que não podem ou preferem não usar contracepção contendo estrogênio. Além das pílulas orais, a anticoncepção só de progestógeno está disponível como implante, dispositivo intrauterino (DIU) e injeção. Os efeitos dos pílulas só de progestágenos no muco cervical e no endométrio são os fatores críticos na prevenção da concepção. A ovulação não é suprimida de forma consistente.

Noretindrona , comprimido de 0,35 mg, e desogestrel, comprimido de 75 mcg, estão disponíveis como pílulas só de progestógeno. A taxa típica de falha do usuário com pílulas orais de progestágenos é estimada em mais de 7%. O DIU com levonorgestrel (Mirena) está disponível, com  a probabilidade de gravidez no primeiro ano de apenas 0,1 por cento.

Terapia de reposição hormonal com progesterona

A utilização de progestágenos na terapia hormonal ocorre durante o climatério, sendo a principal função prevenir as alterações proliferativas induzidas pelo estrogênio, prevenindo desta forma a hiperplasia e câncer de endométrio. Os progestagênios têm efeito protetor endometrial por diminuir a atividade mitótica nuclear induzida por estrogênios e pelo aumento de 17- hidroxidesidrogenase que converte o estradiol em estrona, biologicamente menos potente. Os progestagênios sintéticos parecem conferir maior proteção endometrial do que a progesterona natural.

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.