Residência Médica

As melhores residências em Endocrinologia

As melhores residências em Endocrinologia

Compartilhar

Sanar Residência Médica

14 minhá 125 dias

Quem deseja se tornar um especialista qualificado e disputado pelo mercado de trabalho, deve saber quais são as melhores residências em Endocrinologia do Brasil.

São inúmeras instituições que oferecem programas na especialidade, portanto, a principal fonte que se deve consultar, antes de escolher, é a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

A Endocrinologia é uma área relativamente nova. De acordo com a Demografia Médica 2018, existem 5210 especialistas em todo país, razão de 2,51 por 100 mil habitantes, que representa 1,4% sobre o total de especialidades.

Ao todo, foram autorizadas 560 vagas em programas anuais, das quais apenas 395 foram ocupadas.

O site salario.com informa que a média salarial do Endocrinologista é de R$ 6.202,47 a R$ 13.306,42, levando em conta profissionais com carteira assinada em regime CLT de todo o Brasil. O médico pode atuar em postos de saúde, clínicas particulares e hospitais da rede pública ou privada.

Entre outros casos, o endocrinologista tem de lidar, no seu dia a dia, com as seguintes demandas:

  • Doenças da tireoide 
  • Andropausa
  • Reposição hormonal masculina e feminina
  • Distúrbios do crescimento e da puberdade
  • Diabetes
  • Distúrbios da menstruação
  • Obesidade
  • Alterações dos lipídios
  • Alterações do metabolismo ósseo 

Para lidar com tudo isso, o endocrinologista deve ter, além do conhecimento técnico e atualizado, uma capacidade de ouvir e se comunicar com o paciente de maneira clara, para poder oferecer o melhor tratamento. 

Se a pessoa é diabética, por exemplo, o médico deve avaliar, entre outras coisas, hipoglicemias, valores de glicemia capilar dos diferentes horários, contagem de carboidratos, uso correto da insulina.

Tudo isso é ensinado ao longo da residência médica, mais um motivo para sempre buscar as melhores instituições na especialidade.

Metodologia

Determinar a melhor residência em Endocrinologia, é um trabalho árduo e minucioso. Neste momento apenas apontaremos as melhores com base na expertise dos especialistas e critérios objetivos. O melhor parâmetro é a SBEM, que possui 70 serviços credenciados, entre os quais se destacam:

Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia – CEDEBA

Unidade referencial do SUS, a instituição oferece programa de residência médica com 03 vagas. Seus atendimentos envolvem diversas áreas da medicina e estão voltados aos pacientes com diabetes e endocrinopatias no Estado da Bahia.

Para tratar de doenças ligadas a Endocrinologia, o Cedeba oferece serviços de Angiologia, Nefrologia, Ginecologia, Cardiologia, Oftalmologia, Urologia, Psiquiatria, Exames laboratoriais, Eletrocardiograma (ECG), Ultrassonografia, Doppler e Citologia de tireoide.

Hospital Santa Marcelina – SP

São 03 vagas oferecidas em seu programa de residência médica, cujo ingresso é ocorre através de processo seletivo do SUS-SP. Principal referência hospitalar da Zona Leste de São Paulo, o Hospital oferece atendimentos particulares, por convênio e pelo SUS.

A instituição possui mais de 700 leitos, sendo 111 somente de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e possui um moderno Centro de Diagnóstico por Imagem, que pode auxiliar os residentes na hora de fazer os diagnósticos.

Conta com uma equipe de aproximadamente 4 mil colaboradores, dos quais cerca de 1 mil são médicos.

Hospital Felício Rocho – MG

Oferece um programa com 03 vagas para a especialidade. Sua Clínica de Endocrinologia e Metabologia se destaca no atendimento de alta nível, com cerca de 12 mil pacientes atendidos em ambulatório e, aproximadamente, 2 mil pacientes internados por ano.

O Hospital conta com uma equipe multidisciplinar nos atendimentos de patologias endócrinas, como diabetes, tireóide, doenças hipofisárias, doenças adrenais, hipertensão arterial secundária, obesidade, distúrbios do crescimento, distúrbios das gônadas masculina e feminina e transtornos do colesterol.

Hospital Agamenon Magalhães – PE

São oferecidas 04 vagas de residência médica. O Hospital possui uma Unidade de Endocrinologia e Diabetes formada por 10 médicos assistentes e 16 residentes.

Referência na especialidade, registra cerca de 800 pacientes por mês, incluindo atendimentos de emergência, ambulatorial e internamentos.

A Unidade é composta por 12 leitos e, além de atendimento em patologias endocrinológicas, oferece apoio multidisciplinar nas áreas de nutrição, cirurgia bariátrica e psicologia.

Seu ambulatório atende em todas as áreas da Endocrinologia, incluindo Metabolismo Ósseo, Neuroendocrinologia, Endocrinologia Pediátrica e Saúde da Mulher no Climatério.

Hospital das Clínicas – UFPR

Seu programa de residência médica oferece 03 vagas. Possui o Serviço de Endocrinologia e Metabologia reconhecido nacional e internacionalmente como centro de referência nacional e internacional em assistência médica, ensino, formação profissional e pesquisa na área de doenças endócrinas e metabólicas.

Com uma equipe multidisciplinar formada por professores universitários, médicos especialistas, residentes, nutricionistas, enfermeiras, técnicos e secretárias, realiza, por ano, cerca de 40.000 atendimentos e procedimentos médicos a pacientes do SUS. 

Destaca-se no atendimento a diabetes, obesidade, hipertensão, distúrbios da tireóide, osteoporose, além de tumores glandulares benignos e malignos, desordens do crescimento e da puberdade e alterações hormonais masculinas e femininas.

A  Unidade de Tireoide possui equipamento próprio de ecografia para diagnóstico e tratamento de doenças da glândula e a Densitometria Óssea é a única do sistema público do estado que possui equipamento para diagnóstico de osteoporose.

O programa de residência médica em Endocrinologia

De acordo com a Resolução CNRM 17, de 2019, o programa deve ter o objetivo geral de formar e habilitar especialistas com as competências necessárias para atuar em diferentes níveis de complexidade, através das seguintes competências: 

Primeiro ano – R1

  • Dominar a anamnese e a realização do exame físico completo, geral e específico.
  • Manejar o cuidado do paciente, sob a concepção da centralidade na pessoa, especialmente nos casos de doenças crônicas, com forte componente psicossocial, manejando pacientes resistentes às orientações iniciais, valorizando o papel do familiar/cuidador na adesão ao tratamento.
  • Reconhecer os níveis de atenção na rede SUS (Sistema único de Saúde), adaptando sua prática ao contexto sociocultural no qual está inserido.
  • Dominar o plano terapêutico, levando em consideração seu nível social e incluindo medidas não-farmacológicas.
  • Aplicar os princípios da Medicina Baseada em Evidências no cuidado do paciente, considerando fatores emocionais, ambientais, socioculturais e econômicos associados ao caso.
  • Valorizar o atendimento inter e multiprofissional.
  • Dominar a classificação e critérios de diagnóstico de diabetes mellitus através dos critérios existentes (nacionais e internacionais), incluindo o diabetes gestacional.
  • Dominar o rastreamento das complicações crônicas do diabetes: microvasculares (nefropatia, neuropatia e oftalmopatia) e macrovasculares (insuficiência coronariana, acidente vascular cerebral, insuficiência venosa periférica).
  • Identificar os aspectos clínico-epidemiológicos dos principais tumores hipofisários, descrevendo a interferência na fisiologia do eixo hipotálamo-hipófise – glândulas alvo e realizar o diagnóstico e manejo inicial de tumores hipofisários funcionantes ou não funcionantes.
  • Dominar o exame físico da glândula tireóide e da região cervical.
  • Diagnosticar e manejar o paciente com hipotireoidismo e hipertireoidismo.
  • Dominar os diagnósticos das afecções estruturais da tireoide e indicação e interpretação dos exames complementares.
  • Avaliar a indicação da cirurgia tireoidiana de acordo com os critérios do consenso brasileiro e dominar o manejo pré e pós-operatório.
  • Realizar o exame físico da criança, preencher e interpretar gráficos em pediatria, valorizando a antropometria e exame puberal (estádios de Tanner).
  • Dominar o metabolismo do cálcio, fósforo e da vitamina D, sabendo realizar o diagnóstico de deficiência da Vitamina D.
  • Dominar o diagnóstico e tratar osteoporose, classificando-a etiologicamente.
  • Dominar o classificar as dislipidemias, a partir dos conhecimentos em metabolismo dos lipídeos.
  • Dominar a estratificação de risco cardiovascular (através de escores de risco) de pacientes com síndrome metabólica.
  • Dominar a anatomia e fisiologia do eixo hipotálamo, hipófise-adrenal, identificando os aspectos clínico-epidemiológicos das doenças adrenais.
  • Avaliar os diferentes tipos de corticoide e sua bioequivalência na corticoterapia, implantando efetivamente um desmame coerente.
  • Dominar o diagnóstico e classificação etiológica de obesidade e realizar tratamento conforme as particularidades individuais do paciente.

Segundo Ano – R2

  • Desenvolver prática crítica-reflexiva atualizando-se continuamente.
  • Dominar a prescrição de insulina utilizando os dispositivos disponíveis.
  • Dominar a orientação do paciente ou seu responsável quanto aos locais de aplicação de insulina, seu armazenamento e o rodízio de aplicações.
  • Dominar o tratamento do diabetes gestacional e suas principais complicações, e a interação com a equipe multi e interprofissional.
  • Dominar o tratamento de crianças e adolescentes com diabetes mellitus tipo 1.
  • Manejar o paciente com hipopituitarismo, principalmente em situações de estresse.
  • Dominar o diagnosticar e tratar diabetes insipidus e demais comorbidades na doença hipofisária.
  • Manejar o paciente no pré e pós-operatório de cirurgia hipofisária.
  • Dominar o diagnóstico e tratamento de paciente com SIADH (Síndrome Inapropriada do Hormônio Antidiurético).
  • Indicar e interpretar cateterismo de seio petroso nos casos suspeitos de Síndrome de Cushing.
  • Manejar as emergências tireoidianas: coma mixedematoso e crise tireotóxica.
  • Dominar o diagnóstico e manejar a orbitopatia de Graves.
  • Dominar indicação de radioterapia em patologias benignas e malignas da tireoide.
  • Manejar tratamento do Câncer de tireoide valorizando o trabalho da equipe multi e interprofissional.
  • Manejar as alterações da tireoide na gravidez.
  • Reconhecer, diagnosticar e tratar as alterações do crescimento e as variantes de normalidade.
  • Manejar pacientes com síndromes genéticas com alterações endócrinas (Down, Turner,Klinefelter dentre outras).
  • Dominar o diagnóstico e tratar das afecções da paratireóide: hiperplasia, adenoma, carcinoma e sua associação com as MEN (Neoplasia Endócrina Múltipla).
  • Manejar os portadores de doenças raras do metabolismo ósseo (Paget, osteogenesis imperfecta, raquitismo, osteomalácia, entre outras).
  • Avaliar os métodos de imagem empregados em patologias ósseas (Densitometria, cintilografia, RX e biópsia).
  • Dominar o diagnóstico e tratamento das dislipidemias.
  • Dominar o diagnóstico clínico e laboratorial e tratamento da insuficiência adrenal.
  • Dominar o diagnóstico e tratamento do hirsutismo, ginecomastia, síndrome dos ovários policísticos e infertilidade de causa endócrina.
  • Dominar o diagnóstico e tratamento das alterações de libido, hipogonadismo masculino e feminino e disfunção erétil, além de prescrever terapia de reposição hormonal feminina e masculina.
  • Avaliar o processo de desenvolvimento e diferenciação sexual com suas influências genéticas e hormonais, identificando quando presentes alterações genitais em recém-nascidos e crianças maiores.
  • Dominar as medicações utilizadas para tratamento de obesidade e saber manejar seus efeitos adversos.
  • Manejar o paciente no pré e pós-operatório de cirurgia bariátrica.
  • Dominar a investigação da hipertensão arterial secundária e indicar tratamento das causas endócrinas.
  • Diagnosticar e manejar portadores de Neoplasia Endócrina Múltipla, destacando o papel da investigação dos familiares.
  • Diagnosticar e manejar a doença hepática gordurosa não alcoólica.
  • Diagnosticar e manejar síndromes poliglandulares autoimunes. 
  • Produção de artigo científico

Conceito da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Fundada em 01 de setembro de 1950, a SBEM possui 3415 associados e é composta por uma diretoria, eleita a cada dois anos; 10 departamentos científicos, 17 comissões e 22 regionais, estando presente em quase todos os estados brasileiros..

O seu estatuto estabelece que a SBEM tem os seguintes objetivos:

  • Conceder e expedir ou revalidar, juntamente com a Associação Médica Brasileira, o Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia, e os certificados em áreas de atuação afins, de acordo com as normas e os convênios em vigor;
  • congregar os profissionais médicos, os pesquisadores e docentes, bem como os acadêmicos da Medicina, com atuação na especialidade ou que se interessem por esta;
  • estimular a divulgação e o ensino da especialidade, bem como a educação continuada dos associados;
  • incentivar o estudo e a pesquisa científica no campo da Endocrinologia e Metabologia;
  • promover, diretamente ou em parceria com outras instituições científicas, médicas ou educacionais, cursos de atualização e outros eventos científicos, voltados ao aprimoramento profissional ou ao desenvolvimento da especialidade;
  • incentivar a oferta e o aperfeiçoamento de programas de pós-graduação, stricto sensu e lato sensu, em Endocrinologia e Metabologia.
  • incentivar projetos de pesquisa científica ou tecnológica ou participar de iniciativas dessa natureza, sob patrocínio próprio, dos Poderes Públicos ou de terceiras entidades;
  • estabelecer processos de auditoria e certificação de qualidade de produtos e serviços, ou de conformidade com os padrões e normas aplicáveis ao exercício profissional, à atividade institucional ou empresarial no campo da especialidade;
  • credenciar ou certificar centros de treinamento ou de pesquisa na especialidade, que deverão obedecer às normas e condições estabelecidas em atos normativos;
  • filiar-se a ou manter intercâmbio com sociedades congêneres nacionais e internacionais, que atuem em consonância com os seus objetivos;
  • cooperar com os poderes públicos, organizações não governamentais ou de fins sociais, na investigação, no equacionamento e na solução dos problemas de saúde pública relacionados com as doenças endocrinológicas, inclusive propor medidas adequadas para programas e políticas de saúde pública e de educação comunitária, no âmbito da especialidade;
  • promover a divulgação, junto ao público, dos aspectos epidemiológicos das doenças endocrinológicas, alertando a população para os fatores de risco a elas vinculados e esclarecendo-a quanto às possibilidades de prevenção e tratamento;
  • combater os desvios ético-profissionais, a propaganda ou publicidade enganosa ou sem base científica, em colaboração com os Poderes Públicos, organizações não governamentais ou sociais;
  • editar a revista que seja órgão oficial de divulgação científica da entidade, apoiar e/ou editar outras publicações de caráter informativo, técnico e científico de interesse da SBEM, da comunidade médica ou da população em geral;
  • utilizar os recursos e veículos de mídia para comunicação com a sociedade científica, os profissionais da especialidade e o público em geral;
  • promover ou patrocinar congressos, jornadas, conferências e reuniões científicas, cursos de extensão e outros, objetivando a aproximação entre os especialistas, membros ou não da SBEM, e o intercâmbio de informações;
  • zelar pelo nível ético, pela qualidade científica, pela eficiência técnica e pelo sentido social do exercício profissional da Endocrinologia e Metabologia;
  • defender e valorizar os associados na sua atividade profissional.

Terceira Associação da especialidade no mundo, a SBEM tem como missão a promoção da Endocrinologia e Metabologia, e a valorização de seus associados através da qualificação, titulação e suporte, com estímulo à educação continuada e à pesquisa.

Conclusão sobre as melhores residências em Endocrinologia

Para quem quer se qualificar e se diferenciar no mercado de trabalho e no atendimento ao paciente, é importante saber quais são as melhores residências em Endocrinologia.

Se o treinamento é qualificado e reconhecido, o médico irá se aperfeiçoar e se preparar para enfrentar os desafios mais difíceis que a especialidade oferece.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia é o melhor parâmetro na hora de definir quais são as melhores residências. A instituição tem uma lista com 70 serviços que considera qualificados para oferecer treinamentos na especialidade, entre os quais se destacam:

  • Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia – CEDEBA, 03 vagas para 2021
  • Hospital Santa Marcelina – SP, 03 vagas para 2021
  • Hospital Felício Rocho, 03 vagas para 2021
  • Hospital Agamenon Magalhães, 04 vagas para 2021
  • Hospital das Clínicas – UFPR, 03 vagas para 2021
Sanar-Residência-Médica-Trial-Extensivo-R1-2021

Confira o vídeo:

Posts relacionados:

Referências:

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.