Colunistas

Critérios diagnósticos de diabetes mellitus | Colunistas

Critérios diagnósticos de diabetes mellitus | Colunistas

Compartilhar

Raissa Cardoso Silva

8 min há 263 dias

A partir da transição epidemiológica, em meados do século XX, observou-se a redução das doenças infectocontagiosas e o aumento das doenças crônicas não transmissíveis. Tendo isso em mente, ao considerar o panorama de saúde da população brasileira, constata-se a elevada prevalência das doenças crônicas, por exemplo, hipertensão arterial, diabetes mellitus, artrite, depressão, asma, entre outras.

A respeito da diabetes mellitus no cenário mundial, em 2017, a Federação Internacional de Diabetes estimou que 8,8% da população entre 20 e 79 anos de idade vive com diabetes.

Além da transição epidemiológica supracitada, fatores como rápida urbanização, mudança nos hábitos alimentares, estilo de vida sedentário, envelhecimento populacional e aumento da sobrevida dos indivíduos com diabetes contribuíram para o incremento da prevalência da diabetes.

Sabendo das informações expostas até então, você já pode perceber a relevância dessa doença para população e, inclusive, é muito provável que você conheça alguém com diabetes! Nesse sentido, é de suma importância compreender essa condição clínica e seus critérios diagnósticos, tópicos que serão abordados adiante neste texto.

 

Conceito de diabetes mellitus

O diabetes mellitus (DM) é um distúrbio metabólico causado pela deficiência na produção de insulina e/ou na sua ação, resultando em hiperglicemia persistente.

 

Classificações de diabetes mellitus

De acordo com a sua etiologia, o diabetes pode ser classificado em DM tipo 1, DM tipo 2, DM gestacional e outros tipos de DM.

Diabetes mellitus tipo 1 (DM 1)

O DM tipo 1 consiste em uma doença autoimune provocada pela destruição das células beta pancreáticas, levando à deficiência completa na produção do hormônio insulina.

A prevalência de DM 1 é de 5 a 10% dentre os casos de diabetes mellitus, ressaltando-se que  é diagnosticado mais frequentemente em crianças e adolescentes.

Ademais, o DM tipo 1 pode ser subdividido em tipo A e tipo B.

Diabetes mellitus tipo 1A

É caracterizado pela deficiência de insulina decorrente à destruição autoimune do pâncreas devido à presença de autoanticorpos (ICA, IAA, anti-GAD65, IA-2, IA-2B e Znt8), os quais são detectados por exames laboratoriais.

Diabetes mellitus tipo 1B

É caracterizado pela deficiência de insulina sem que os autoanticorpos sejam detectáveis.

Diabetes mellitus tipo 2 (DM 2)

O DM tipo 2 consiste em uma doença multifatorial caracterizada pela perda progressiva da secreção de insulina associada à resistência periférica a esse hormônio. Salienta-se a existência tanto de componentes genéticos, quanto de componentes ambientais, os quais incluem hábitos de vida, alimentação inadequada, falta de exercícios físicos, obesidade, dislipidemia.

A prevalência de DM 2 é de 90 a 95% dentre os casos de diabetes mellitus, ressaltando-se que ele é diagnosticado em indivíduos acima de 40 anos, geralmente.

Diabetes mellitus gestacional (DMG)

O diabetes mellitus gestacional consiste em níveis variados de hiperglicemia durante a gestação, sem que haja o diagnóstico prévio de DM. Essa condição pode ser justificada pela produção placentária de hormônios hiperglicemiantes e enzimas que degradam a insulina, resultando no aumento da produção de insulina, bem como na resistência a ela.

Outros tipos de diabetes mellitus

Nesta classificação, estão englobados os outros tipos de DM, tais quais defeitos genéticos (por exemplo, MODY), diabetes mellitus secundários a endocrinopatias, medicamentos, infecções ou doenças do pâncreas exócrino.

Diagnóstico de diabetes mellitus

Como explicitado acima, o quadro clínico do diabetes mellitus é caracterizado por hiperglicemia, a qual está intimamente relacionada às complicações crônicas micro e macrovasculares da doença, como retinopatia, nefropatia, neuropatia, doença coronariana, doença cerebrovascular e doença arterial periférica.

Sendo assim, é imprescindível conhecer os critérios diagnósticos do diabetes mellitus no intuito de identificar os pacientes acometidos e tratá-los adequadamente.

Critérios diagnósticos de diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2

Os critérios diagnósticos de diabetes mellitus incluem glicemia em jejum (coletada em sangue periférico após 8 horas, no mínimo, de jejum), teste oral de tolerância à glicose ou TOTG (ingestão de 75g de glicose dissolvida em água e coleta de uma amostra de sangue após 2 horas), hemoglobina glicada ou HbA1c (medida indireta dos níveis glicêmicos) e quadro clínico clássico, o qual é composto por poliúria, polidipsia, polifagia e emagrecimento.

Dessa maneira, tem-se o diagnóstico de diabetes mellitus nas seguintes situações:

  • Glicemia em jejum ≥ 126mg/dL, em dois exames alterados, ou
  • Teste oral de tolerância à glicose ≥ 200mg/dL, em dois exames alterados, ou
  • Hemoglobina glicada ≥ 6,5%, em dois exames alterados, ou
  • Glicemia ao acaso ≥ 200mg/dL associada ao quadro clínico clássico.

Vale ressaltar que os exames de glicemia em jejum, TOTG e hemoglobina glicada devem apresentar duas amostras alteradas para configurar o diagnóstico de DM, ao passo que os pacientes sintomáticos com glicemia ao acaso ≥ 200 mg/dL não necessitam repetir os exames.

Por sua vez, a pré-diabetes indica uma situação de risco aumentado para desenvolvimento de diabetes mellitus e seu diagnóstico é dado nas seguintes situações:

  • Glicemia em jejum ≥ 100mg/dL e < 126mg/dL ou
  • Teste oral de tolerância à glicose ≥ 140mg/dL e < 200mg/dL ou
  • Hemoglobina glicada ≥ 5,7% e <6,5%.

Na tabela a seguir estão sintetizados os critérios diagnósticos para diabetes mellitus pela Sociedade Brasileira de Diabetes:

Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes

 

Critérios diagnósticos de diabetes mellitus gestacional

É essencial orientar as gestantes a realizarem as consultas de pré-natal a fim de realizarem os exames preconizados para diagnosticar algumas patologias, por exemplo, diabetes mellitus.

Vale evidenciar que os valores de corte para as gestantes são diferentes das não-gestantes.

Os critérios diagnósticos de diabetes mellitus gestacional incluem glicemia em jejum e teste oral de tolerância à glicose.

Nesse sentido, recomenda-se que toda mulher, entre 24 e 28 semanas de gestação, e com glicemia em jejum < 92mg/dL deve ser submetida ao teste oral de tolerância à glicose. Nesse teste, faz-se a coleta do sangue após 8 horas de jejum e 1 e 2 horas após a sobrecarga com 75g de glicose.

Dessa maneira, tem-se o diagnóstico de diabetes mellitus gestacional nas seguintes situações:

  • Glicemia de jejum ≥ 92mg/dL ou
  • Teste oral de tolerância à glicose na 1ª hora ≥ 180mg/dL ou
  • Teste oral de tolerância à glicose na 2ª hora ≥ 153mg/dL

Na tabela a seguir estão sintetizados os critérios diagnósticos para diabetes mellitus gestacional pela Sociedade Brasileira de Diabetes:

Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes

Confira o vídeo:

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.