Atendimento Médico

Dependência emocional: o que causa, como identificar e tratar

Dependência emocional: o que causa, como identificar e tratar

Compartilhar
Imagem de perfil de Prática Médica

A dependência emocional, geralmente, envolve uma intensa necessidade de aprovação, afeto e validação. Ao desenvolver esse quadro emocional, o indivíduo deposita no outro a responsabilidade sobre a sua felicidade e sobre a tomada de suas decisões. Esse cenário pode levar a pessoa a
perder a habilidade de manter uma relação saudável.

O objetivo deste artigo é trazer informações relevantes sobre o quadro clínico, diagnóstico e tratamento da dependência emocional para estudantes de medicina e médicos. Aproveite a leitura!

Definição de dependência emocional

Segundo a literatura médica, o conceito de dependência emocional refere-se a um padrão persistente de necessidade emocional extrema e busca constante de aprovação, validação e segurança de uma pessoa específica. Muitas vezes em relacionamentos íntimos.

Essa dependência pode levar uma série de comportamentos e padrões disfuncionais que afetam negativamente o bem-estar emocional e o funcionamento geral do indivíduo.

É importante ressaltar que a dependência emocional não é oficialmente reconhecida como um diagnóstico separado no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), que é a principal classificação utilizada na psiquiatria.

No entanto, conceitos relacionados, como transtorno de personalidade dependente, podem abordar alguns aspectos dessa dependência emocional.

O que causa a dependência emocional?

A literatura médica geralmente explora a dependência emocional como um fenômeno complexo. Não há um fato único e específico como causa.

A condição é influenciada por fatores psicológicos, sociais e biológicos. Os diversos fatores, inclusive, podem ter sido acumulados pelo indivíduo desde a infância. Entre eles:

Abandono na infância

O dependente pode ter sido abandonado de forma física ou emocional na infância. Para compensar essa lacuna, o indivíduo busca uma pessoa para suprir todas as suas necessidades físicas e emocionais. Com isso, todas as expectativas são depositadas em uma única relação. 

Excesso de zelo na infância e a dependência emocional

Nesses casos, crianças que são submetidas ao cuidado e afeto exacerbados, tornam-se  adultos dependentes de tratamentos especiais. Por conta disso, o indivíduo não se sente confiante, acreditando que não tem condições de tomar suas próprias decisões e de viver sem a companhia de outra pessoa. 

Quadro clínico da dependência emocional

O quadro clínico de pacientes com dependência emocional pode variar. Porém, geralmente, inclui uma série de características e comportamentos que afetam negativamente a vida emocional e os relacionamentos. Confira alguns dos aspectos comuns do quadro clínico dos pacientes:

  1. Medo da solidão ou rejeição
  2. Necessidade excessiva de aprovação: há uma busca incessante por aprovação e validação do parceiro. O que frequentemente o leva a comportamentos de busca de atenção e acomodação excessiva às necessidades do outro.
  3. Baixa autoestima: é comum terem autoestima frágil e basear sua valia pessoal nas opiniões e ações dos outros.
  4. Dificuldade em tomar decisões independentes: tendência a depender excessivamente da orientação e opiniões dos outros.
  5. Tendência a relacionamentos codependentes: o indivíduo se submete excessivamente às necessidades e desejos do parceiro, muitas vezes em detrimento de suas próprias necessidades.
  6. Dificuldade em estabelecer limites: dificuldade em estabelecer e manter limites saudáveis nos relacionamentos. O que resulta em uma propensão a aceitar comportamentos inadequados ou prejudiciais.
  7. Repetição de padrões em relacionamentos: relacionamentos podem se tornar caracterizados por ciclos de idealização e desvalorização. O indivíduo oscila entre a idealização da pessoa de quem é dependente e sentimentos de desespero ou raiva quando se sente abandonado ou rejeitado.
  8. Ansiedade e depressão relacionadas à relação: a condição pode está associada a altos níveis de ansiedade e depressão. Isso ocorre especialmente quando a relação desejada não está cumprindo as expectativas.

É importante notar que a intensidade e a manifestação desses sintomas podem variar de pessoa para pessoa.

Outro ponto importante para o profissional de medicina ter em mente é que, no geral, o dependente não percebe o seu próprio comportamento. Para ele, todas essas ações são vistas como normais e são apenas uma forma de demonstrar amor. 

Como conduzir o diagnóstico do paciente?

Identificar e diagnosticar a dependência emocional requer uma abordagem cuidadosa e uma compreensão profunda do paciente. Confira os principais passos para conduzir o atendimento:

Entrevista clínica

  • Conduza uma entrevista clínica abrangente para entender o histórico emocional e relacional do paciente.
  • Explore padrões de relacionamento, histórico familiar, eventos traumáticos e experiências passadas que possam influenciar a dependência emocional.

Critérios diagnósticos

Utilize critérios diagnósticos, como os estabelecidos no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), para avaliar se o paciente atende aos critérios para dependência emocional.

Observação do comportamento

Observe padrões de comportamento em relacionamentos, como a busca constante por aprovação, medo da rejeição, dificuldade em tomar decisões sem a influência de outros, entre outros.

Além disso, fique atento para captar informações sobre a duração e a consistência dos padrões de comportamento.

Autoavaliação do paciente

Incentive o paciente a realizar uma autoavaliação honesta de seus relacionamentos e emoções, explorando sentimentos de ansiedade, tristeza ou desconforto na ausência de determinadas pessoas.

Questionários e escalas

Utilize questionários e escalas específicas, como a Escala de Dependência Emocional de Rusbult, para obter uma medida quantitativa dos sintomas.

Avaliação de comorbidades

Avalie a presença de comorbidades, como transtornos de ansiedade, depressão ou outros distúrbios emocionais, que podem estar contribuindo para a dependência emocional.

Tratamento para casos de dependência emocional


Após fechar o diagnóstico, o primeiro passo é explicar ao paciente o diagnóstico de maneira clara e compreensível. Garanta suporte para que ele entenda os sintomas e o como isso vem impactando em sua vida.

Ao falar sobre tratamento para dependência emocional, principal conduta terapêutica indicada é a psicoterapia.

Para estabelecer um plano de tratamento, você também deve ajudo ao paciente estabelecer as metas terapêuticas.

O paciente precisa receber informações educativas contínuas sobre a condição e desenvolver conhecimento sobre e estratégias para lidar com os desafios emocionais.

Lembrete importante

Ao tratar o paciente, lembre-se de:

  • Avaliar e tratar quaisquer comorbidades, como transtornos de ansiedade ou depressão, que possam estar contribuindo para a dependência emocional.
  • Realizar avaliações regulares para monitorar o progresso do paciente e ajuste o plano de tratamento conforme necessário.
  • Se apropriado, envolva a família ou parceiro do paciente no processo terapêutico. Terapia familiar ou de casal pode ser benéfica para abordar dinâmicas relacionais disfuncionais.

Já pensou em se capacitar para atuar com atendimentos psiquiátricos?

A demanda por atendimento psicológico tem crescido no Brasil. Por isso, é fundamental que o médico se prepare para lidar com os principais quadros psiquiátricos. Entender os fenômenos da mente humana e sua relação com o bem-estar faz toda a diferença para prática médica.

Um caminho de sucesso para isso é investir em uma pós-graduação lato sensu em psiquiatria. Esse tipo de formação é totalmente focada no desenvolvimento de habilidades práticas para atender com assertividade e excelência.

Não sabe qual pós fazer? Você precisa conhecer o curso da Sanar Pós. Com a pós da Sanar, você terá acesso a um conteúdo completo, pensado e feito por professores padrão USP! O nosso curso conta com:

  • Aulas interativas
  • Simulação de prática profissional
  • Teleambulatório com pacientes
  • E muito mais.

Confira um vídeo de apresentação do curso de psiquiatria da Sanar Pós:

Sugestão de leitura complementar

Esses artigos também podem ser do seu interesse:

Referência bibliográfica

  • ARNTZ, A. Dependência Patológica: Distinguindo a Dependência Funcional da Emocional, Psicologia clínica: ciência e prática. 2005.
  • BACRON, R. O drama de quem se sujeita ao outro. Expresso News. 467, PP, 12,13. Apucarana: PI Editora. 2015.