Carreira em Medicina

Diluição de medicamentos: guia sobre como preparar medicamentos

Diluição de medicamentos: guia sobre como preparar medicamentos

Compartilhar
Imagem de perfil de Graduação Médica

Você sabe fazer diluição de medicamentos? Vamos te ensinar de uma maneira fácil a fazer os cálculos que você precisa saber!

A diluição de medicamentos é o processo de redução da concentração de um medicamento pela adição de um diluente ou solvente a ele. Isso geralmente é feito para facilitar a administração do medicamento, principalmente se o medicamento for muito potente e precisar ser administrado em doses menores para minimizar os efeitos colaterais ou a toxicidade.

A diluição do medicamento pode ser realizada de várias maneiras, dependendo do medicamento e do uso pretendido. Em alguns casos, o medicamento pode ser misturado com água estéril ou solução salina para reduzir a concentração. Outras vezes, o medicamento pode ser misturado com um diluente específico que foi desenvolvido para funcionar com esse medicamento em particular.

É importante seguir os procedimentos de diluição adequados e usar o diluente correto para um determinado medicamento para garantir que o medicamento permaneça eficaz e seguro para uso. A diluição incorreta pode levar a um tratamento ineficaz ou mesmo a efeitos colaterais nocivos.

Prescrição medicamentosa

A prescrição de medicamentos vai muito além de escrever um nome de medicamento em um papel. É necessário estabelecer relação com o paciente, esclarecer dúvidas, informar a escolha do fármaco, os risco, os benefícios, o que é esperado.

Além disso, no preenchimento do receituário é necessário que tenha:

  • Identificar o paciente: A receita deve incluir o nome completo do paciente, data de nascimento e qualquer outra informação de identificação necessária para garantir que a receita seja preenchida com precisão.
  • Especifique o medicamento: A receita deve indicar claramente o nome do medicamento, a dosagem, a dosagem e a forma (por exemplo, comprimido, cápsula, líquido).
  • Indicar a via de administração: A prescrição deve especificar como o medicamento deve ser administrado, por via oral, tópica ou injetável.
  • Inclua todas as instruções necessárias: A receita deve incluir todas as instruções específicas para tomar o medicamento, como quando e com que frequência tomá-lo, se deve tomá-lo com comida ou água e qualquer outra informação relevante.
  • Assinar e datar a receita: O profissional de saúde deve assinar e datar a receita, indicando que autorizou o medicamento e se responsabiliza por sua adequação e segurança.

Também é importante levar em consideração quaisquer alergias do paciente, interações medicamentosas e possíveis efeitos colaterais ao prescrever medicamentos. Os profissionais de saúde também devem documentar a prescrição no prontuário do paciente e comunicar qualquer informação importante ao paciente e ao farmacêutico.

É importante lembrar que existem diversos tipos de receitas. Cada classe medicamentosa possui uma necessidade diferente. Alguns fármacos necessitam, por exemplo, de 2 vias:

  • Anticonvulsivantes;
  • Anabolizantes;
  • Antipsicóticos;
  • Medicamentos para Parkinson;
  • Antidepressivos;
  • Antibióticos.

Para saber mais sobre o assunto, leia nosso artigo completo: Prescrição Médica: dados, modelos, caligrafia e carimbo!

Como é feita a diluição medicamentosa?

A diluição do medicamento deve ser feita de uma forma em transformar uma solução menos concentrada. Aprender a fazer o cálculo é fundamental, uma vez que, algumas medicamentos só são fornecidos em ampolas maiores que a necessidade da posologia indicada ao paciente.

Geralmente os medicamentos por via oral e via intravenosa necessitam de diluição.

Relembrando as grandezas e unidades de medidas

A diluição assusta bastante porque são cálculos matemáticos. Entretanto, não é nenhum “bicho de sete cabeças”. O que precisamos fazer é uma regra de três. Entretanto, precisamos relembrar sobre conversão de unidades de medida de volume.

Tenha sempre em mente que:

  • 1 quilograma (kg) = 1000 gramas (g);
  • 1 g = 1000 miligramas (mg);
  • 1mg = 1000 microgramas (mcg)
  • 1 litro (l) = 1000 mililitros (ml);

Além disso, é preciso lembrar que as grandezas relacionadas entre si para os cálculos geralmente são:

  • Concentração/volume (mg/ml)
  • Volume/tempo (ml/hora ou ml/minuto).

Trabalhando com exemplo

A melhor forma de entender como acontece o processo de diluição de medicamento é através de um exemplo. Vem com a gente!

Imagine que você é o interno responsável pelo plantão. O seu paciente chegou queixando de cefaleia, intensidade 9/10, que não melhora com analgésico que o mesmo se medicou em casa. Após coletar a história clinica do paciente, construir um raciocínio clínico, conhecer as alergias que esse paciente possa vir a ter, você e seu preceptor e/ou residente, resolverem administrar 2mg de forma endovenosa analgésico para esse paciente. Ao olhar a forma de apresentação do medicamento, você se depara com a seguinte especificação: 10mg/ml e ampola de 2ml. Como fazer para administrar de forma correta esse medicamento?

Como é feito o cálculo da diluição medicamentosa?

Inicialmente é preciso entender o que significa 10mg/ml. Isso quer dizer que tenho 10mg da droga a cada 1ml de solvente.

  • Se a ampola tem 2ml, quanto de medicamento eu tenho nela?

10mg ———– 1ml

X mg  ———– 2ml

X=20mg em uma dose de ampola.

  • Se o paciente precisa de 2mg, temos que fazer uma diluição:

Em uma ampola eu tenho 20mg em 2ml, quantos ml eu preciso dar a esse paciente? Se fizermos um cálculo rápido, seria 0,2ml. Entretanto, geralmente não se tem seringas disponíveis que consiga graduar essa quantidade de líquido. Então, devido a isso, precisamos fazer a diluição com o sora fisiológico.

Se 2 ml ——– 20mg, vou adicionar + 8ml de soro fisiológico a 0,9% e então, minha solução vai ficar com 10ml. Assim:

10ml ———- 20mg da droga

X ml ———— 2mg da droga

X = 1ml.

  • Dessa forma, você precisará fornecer 1ml da ampola para o seu paciente.

Veículos de diluição de medicamentos

Alguns medicamentos são comumente utilizados para realizar diluição de medicamentos. São eles:

  • Soluções de glicose a 5%;
  • Soro fisiológico a 0,9% ;
  • Soro glicofisiológico;
  • Solução de Ringer;
  • Ringer lactato;
  • Água para injeção;
  • Agentes antimicrobianos.  

Como dominar a farmacologia, prescrição e diluição de medicamentos?

A diluição de medicamentos é apenas mais um dos conteúdos de farmacologia que você precisa aprender e dominar para o internato de medicina. Além de saber diluir medicamentos, você precisa saber prescrever de forma correta, com a posologia correta.

Entretanto, sabemos que essa matéria em específico é um “calo no pé” da maioria dos estudantes de medicina, não é verdade? A fim de te ajudar, temos uma dica maravilhosa para você. Que tal ter acesso à 38 temas sobre farmacologia? Além disso, ter disponível:

  • 44 blocos de questões;
  • 58 vídeo-aulas;
  • 60 resumos;
  • 18 mapas mentais.

Você pode encontrar tudo isso em um só lugar! Adquira agora o SanarFlix e não perca tempo estudando de forma errada ou procurando material para estudar!

[Assinar o Sanarflix]

Sugestão de leitura complementar

Referências

  1. Guia para preparo de medicamentos injetáveis – Unidade de Dispensação Farmacêutica – HU-UFGD/Ebserh, 2017. 43 p. Disponível em: GuiaparadiluiodemedicamentosinjetveisHU_UFGD1.edio.pdf (www.gov.br)
  2. Guia de Prescrição Hospitalar, (2012). 1st ed. Atheneu, pp. 1 – 111.
  3. Manual de orientações básicas para prescrição médica. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/REGIONAL/crmpb/manualPrescricao.pdf