Carreira em Medicina

Prescrição Médica: dados, modelos, caligrafia e carimbo!

Prescrição Médica: dados, modelos, caligrafia e carimbo!

Compartilhar
Imagem de perfil de Carreira Médica

Prescrição médica: tudo o que você precisa saber para preencher corretamente!

A prescrição médica e a informação sobre a terapêutica para o paciente são colocados como pontos centrais para o alcance de uma terapêutica efetiva, de acordo com a organização Mundial da Saúde, além do diagnóstico correto e definição dos objetivos terapêuticos.

Diante disto, temos que a prescrição médica é documento médico escrito que resume o ato médico, com instruções detalhadas sobre o tratamento prescrito para o doente.

Quais são os dados da prescrição?

Essenciais

  • Cabeçalho: inclui nome e endereço do profissional ou da instituição que trabalha, registro profissional e número de cadastro de pessoa física ou jurídica; pode ainda conter a especialidade do profissional, desde que registrada em um CRM.
  • Superinscrição: Constituída pelo nome e endereço do paciente, idade. Pode-se usar o símbolo , que significa “receba”; por vezes, este último é omitido e no seu lugar se escreve “uso interno” ou “uso externo”, correspondente ao emprego de medicamentos.
  • Inscrição: compreende o nome do fármaco, a forma farmacêutica e sua concentração.
  • Subinscrição: designa a quantidade total a ser fornecida. Pode ser em números arábicos ou escritos por extenso, entre parênteses.
  • Adscrição: Composta pelas orientações do profissional para o paciente.

Data, assinatura e número de inscrição no respectivo conselho de Medicina, Medicina Veterinária ou Odontologia.

Facultativos

Peso, altura e dosagens específicas. O verso do receituário pode ser utilizado tanto para dar continuidade à prescrição como para registrar as orientações de repouso, dietas, possíveis reações adversas ou outras informações referentes ao tratamento.

O “R” cortado é um símbolo usado por alguns médicos no início de sua prescrição. Existem várias teorias sobre sua origem, mas não há obrigatoriedade de seu uso na receita médica.

O ® indica o nome comercial do produto, e não o seu princípio ativo.

Prescrição médica - Dados facultativos da receita médica
Exemplo de Prescrição Médica Simples
FONTE: CRM- PB

Modelos de Receitas

No Brasil, as leis federais 5.991/73 e 9.787/99 e a Resolução 357/01 do Conselho Federal de Farmácia normatizam a prescrição de drogas. Destaque-se que a receita deve ser escrita à tinta, em letra de forma, clara e por extenso.

Receita simples/ branca

Utilizada para a prescrição de medicamentos anódinos e medicamentos de tarja vermelha, com os dizeres “venda sob prescrição médica”

Receita de controle especial

Utilizada para a prescrição de medicamentos de tarja vermelha, com os dizeres “venda sob prescrição médica – só pode ser vendido com retenção da receita”, como substâncias sujeitas a controle especial.

Alguns exemplos são:

  • Retinoicas de uso tópico
  • Imunossupressoras e antirretrovirais
  • Anabolizantes
  • Antidepressivos.

Azul ou receita B

É um impresso, padronizado na cor azul, utilizado para a prescrição de medicamentos que contenham substâncias psicotrópicas.

Amarela ou receita A

É um impresso, padronizado na cor amarela, utilizado para a prescrição dos medicamentos entorpecentes e psicotrópicos do grupo A3.

Somente pode conter um produto farmacêutico por cada folha.

Receita renovável

É um modelo criado para a comodidade dos utentes, sendo particularmente útil para os doentes crônicos.

Essas receitas evitam que o paciente tenha que se deslocar com frequência aos centros de saúde e hospitais para a obtenção exclusiva de receitas.

Receita de controle especial

Disponibilizada em duas vias, utilizada para a prescrição de substâncias e medicamentos das listas “C1”, “C4”, “C5” e adendos das listas “A1”, “A2” e “B1”. Validade de 30 dias, em todo o território nacional.

O número máximo de medicamentos por receita depende do tipo de medicamento:

  • No máximo três substâncias ou medicamentos das listas “C1” e “C5”
  • Cinco substâncias ou medicamentos da lista “C4”.

Quantidade máxima/receita de 5 ampolas por medicamento injetável e quantidade correspondente a 60 dias de tratamento para outras formas farmacêuticas.

Quadro comparativo das listas de substâncias

Resumidamente, temos:

  • A1 – Substâncias entorpecentes
  • A2 – Substâncias entorpecentes
  • A3 – Substâncias psicotrópicas
  • B1 – Substâncias psicotrópicas
  • B2 – Substâncias psicotrópicas anorexígenas
  • C1 – Substâncias sujeitas a controle especial
  • C2 – Substâncias retinoicas
  • C3 – Substâncias imunossupressoras
  • C4 – Substâncias antirretrovirais
  • C5 – Substâncias anabolizantes
  • D1 – Substâncias precursoras de entorpecentes e psicotrópicas
Quadro comparativo das listas de substâncias na prescrição médica
Quadro comparativo das substâncias
FONTE: CRM-PB

A receita e a letra do médico/ o carimbo na prescrição médica

Letra de médico

Pelo Código de Ética Médica (CEM) é vedado ao médico:

Art. 11. Receitar, atestar ou emitir laudos de forma secreta ou ilegível, sem a devida identificação de seu número de registro no Conselho Regional de Medicina da sua jurisdição, bem como assinar em branco folhas de receituários, atestados, laudos ou quaisquer outros documentos médicos.

Rasuras na receita médica

Pela Lei 5.991/73, no Capítulo VI. Do Receituário Art. 43. O registro do receituário e dos medicamentos sob regime de controle sanitário especial não poderá conter rasuras, emendas ou irregularidades que possam prejudicar a verificação da sua autenticidade. Se presentes, deverão ser justificadas em observações escritas e assinadas pelo profissional no mesmo receituário.

Uso do carimbo na receita médica

A alínea “c” do art. 35 da Lei 5.991/73 determina que somente será aviada a receita que contiver a:

  • Data e a assinatura do profissional
  • Endereço do consultório ou da residência
  • Número de inscrição no respectivo Conselho profissional.

Como se vê, não há exigência legal do carimbo do médico em receitas, mas sim da assinatura com identificação clara e respectivo CRM. Sendo, pois, opcional a utilização do mesmo. Sua finalidade é otimizar o trabalho médico.

Alerte-se, contudo, que as notificações de receitas de medicamentos controlados deverão ser carimbadas.

Estude farmacologia na prática!

O “Livro 50 Casos Clínicos em Farmacologia” é altamente recomendado para estudantes de medicina que procuram uma abordagem prática no estudo da farmacologia.

Cada caso clínico foi elaborado visando proporcionar uma discussão simplificada, abrangente e de fácil compreensão. Portanto, essa obra representa uma excelente escolha para estudantes que enfrentam dificuldades e buscam uma maneira descomplicada de dominar o campo da Farmacologia.

[COMPRAR LIVRO]

Sugestão de leitura complementar

Referências bibliográfica