Carreira em Medicina

Envenenamento: intervenção rápida e tratamento na emergência

Envenenamento: intervenção rápida e tratamento na emergência

Compartilhar
Imagem de perfil de Carreira Médica

Envenenamento: como manejar um paciente na emergência?

Os dados da epidemiologia revelam que, a cada ano, entre 1,5% e 3,0% da população global enfrenta casos de intoxicação causados por agentes externos. No contexto brasileiro, registram-se aproximadamente 4,8 milhões de casos anualmente, com uma taxa de mortalidade que varia entre 0,1% e 0,4% das intoxicações.

As crianças, especialmente aquelas com menos de 5 anos de idade, estão em maior risco de envenenamento acidental devido à curiosidade e ao acesso a substâncias tóxicas. Por outro lado, tentativas de suicídio por envenenamento tendem a ser mais comuns em adultos.

O que é um envenenamento?

O envenenamento consiste em uma condição em que uma pessoa é à exposta a substâncias venenosas. Essas substâncias podem ser:

  • Ingeridas
  • Inaladas
  • Absorvidas pela pele ou pelos olhos

O envenenamento pode ser acidental, intencional (como uma tentativa de suicídio ou homicídio) ou ocupacional (exposição no local de trabalho).

Quais os tipos mais comuns de substâncias que podem causar envenamento?

O envenenamento agudo, ou intoxicação aguda, ocorre quando uma pessoa entra em contato com uma substância tóxica, seja por inalação, contato direto com a pele ou ingestão. A maioria dos casos de envenenamento ocorre dentro de residências e frequentemente envolve crianças.

Além disso, intoxicações podem manifestar-se de forma aguda ou crônica. Um exemplo é o benzeno, uma substância que tem o potencial de desencadear a aplasia de medula óssea e, em casos mais graves, leucemia.

Animais peçonhentos

Uma série de animais e insetos devem ser conhecidos, pois têm a capacidade de picar ou morder e, consequentemente, causar infecções.

Em locais como sítios ou casas de praia, deve-se ter cautela ao manusear tábuas ou materiais empilhados, pois podem servir de abrigo para escorpiões ou aranhas. Além disso, ao adentrar áreas rurais ou de mata, é aconselhável o uso de botas como medida preventiva contra picadas de cobras.

Quando se deparar com uma colmeia de abelhas ou um vespeiro, é importante evitar a proximidade, pois a agressividade desses insetos pode resultar em graves consequências, inclusive fatais.

Quais os sinais e sintomas do envenenamento?

A primeira medida a ser adotada é verificar se realmente ocorreu o envenenamento. É possível suspeitar de intoxicação ou envenenamento em qualquer pessoa que apresente os seguintes sinais e sintomas:

  • Sinais visíveis na boca ou na pele, indicando que a vítima tenha entrado em contato com substâncias tóxicas, como salivação excessiva, dilatação ou contração das pupilas, sudorese intensa, alterações na respiração e perda de consciência.
  • Presença de um odor estranho no hálito
  • Alterações na coloração dos lábios e do interior da boca, dependendo da substância envolvida
  • Sensação de dor ou queimação na boca, garganta ou estômago
  • Manifestações de sonolência, confusão mental, apatia ou outras mudanças no estado de consciência
  • Ocorrência de náuseas e vômitos
  • Diarreia
  • Lesões cutâneas, como queimaduras graves com limites bem definidos ou formação de bolhas
  • Episódios de convulsões
  • Queda da temperatura corporal, que permanece abaixo do normal.
  • Paralisia muscular

Em todos os casos de envenenamento, é crucial realizar uma investigação minuciosa da área onde a pessoa foi encontrada, com o objetivo de identificar o agente responsável pelo envenenamento ou buscar pistas que auxiliem nessa identificação.

Diversos indícios podem ser valiosos nesse processo, tais como frascos de medicamentos, substâncias químicas, produtos de limpeza, bebidas, seringas de injeção, latas de alimentos, embalagens e outros recipientes.

É importante ressaltar que muitas pessoas têm a suposição de que existe um antídoto para a maioria ou todos os agentes tóxicos. Infelizmente, isso não é verdade. Existem apenas alguns produtos específicos que podem ser utilizados em casos particulares, e mesmo assim, seu uso requer orientação médica.

Qual a primeira intervenção a ser realizada na emergência em um paciente envenenado?

A primeira intervenção a ser realizada em um paciente envenenado é a busca imediata de assistência médica. O envenenamento pode ser potencialmente letal, dependendo da substância envolvida e da quantidade ingerida ou exposta. Portanto, a prioridade é obter cuidados médicos profissionais o mais rápido possível.

O médico iniciará uma avaliação clínica abrangente da vítima para determinar a extensão do envenenamento. Isso pode incluir:

  • Coleta de informações sobre a exposição ao tóxico
  • Sintomas apresentados
  • Via de exposição (ingestão, inalação, contato com a pele)
  • Tempo decorrido desde a exposição

Além disso, o médico deverá monitorar os sinais vitais da vítima, como frequência cardíaca, pressão arterial, frequência respiratória e temperatura corporal. Isso ajuda a avaliar a gravidade do envenenamento e a eficácia do tratamento.

A vítima será monitorada de perto pelo médico durante o tratamento para avaliar a progressão ou melhoria dos sintomas e ajustar a abordagem de tratamento conforme necessário.

Como é feito o tratamento do paciente envenenado?

O tratamento específico administrado por um médico em um caso de envenenamento pode variar amplamente dependendo do agente tóxico envolvido, da gravidade do envenenamento e dos sintomas apresentados pela vítima.

No entanto, em geral, um médico realizará as seguintes ações ao tratar um paciente envenenado:

  • Tratamento de suporte
  • Administração de antídotos
  • Descontaminação

Tratamento de suporte

Dependendo dos sintomas e das necessidades da vítima, o médico pode administrar tratamento de suporte, como:

  • Oxigênio suplementar
  • Fluidos intravenosos para manter a hidratação
  • Medicações para controlar sintomas como náuseas, vômitos ou convulsões
  • Suporte respiratório, se necessário

Administração de antídotos

Em alguns casos, existem antídotos específicos disponíveis para neutralizar os efeitos do agente tóxico. O médico pode administrar esses antídotos, se disponíveis e indicados.

No Brasil, são disponibilizados os seguintes soros antivenenos:

  • SAB (soro antibotrópico): para acidentes ocasionados por jararacas e cruzeiras
  • SAEl (soro antielapídico): acidentes por corais-verdadeiras
  • SAC (soro anticrotálico): acidentes por cascavéis
  • SAL (soro antilaquético): acidentes por surucucus
  • SALon (soro antilonômico): acidentes por lagartas do gênero Lonomia
  • SAA (soro antiaracnídeo): acidentes por armadeira, aranha-marrom e escorpiões
  • SALox (soro antiloxóscélico): acidentes causados por aranha-marrom
  • SAE (soro antiescorpiônico): acidentes causados por escorpiões do gênero Tityus

Além disso, em casos de exposição dérmica (contato com a pele) ou ocular (contato com os olhos) a substâncias tóxicas, o médico pode realizar procedimentos de descontaminação, como lavagem da área afetada com água em abundância.

Conheça o livro fluxos e condutas na emergência

O Yellowbook Fluxos e Condutas Emergências representa uma ferramenta essenciais para profissionais atuantes na área de emergência. Este recurso oferece um guia passo a passo abrangente para conduzir e executar todos os procedimentos relevantes em casos das principais patologias emergenciais!

Com esse livro você poderá ter auxílio na tomada de decisões assertivas em momentos críticos e de alta pressão. Isso é especialmente importante na abordagem inicial ao paciente envenenado, pois é uma situação de risco iminente à vida e que requer uma intervenção rápida e precisa.

.

[Adquira o Yellowbook Emergências]

Referência bibliográfica

  • FIOCRUZ. Envenenamento: como suspeitar, tratamento e prevenção. 2022. Disponível aqui.

Sugestão de leitura complementar:

Você também pode se interessar por esses artigos: