Oftalmologia

O que levou a ex-BBB Patrícia Leitte a ter derrame ocular?

O que levou a ex-BBB Patrícia Leitte a ter derrame ocular?

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar

O derrame ocular é causado pelo rompimento de pequenos vasos sanguíneos.

Na última segunda-feira (9), a ex-BBB Patrícia Leite, divulgou em suas redes sociais que foi diagnosticada com derrame ocular. Na ocasião, a influencer apareceu em suas redes sociais com uma mancha de sangue no olho esquerdo. 

Pensando em te manter informado sobre o tema, a Sanar trouxe os desdobramentos do caso pelo viés da área médica.

O que é derrame ocular?

Também conhecida com hiposfagma, o derrame ocular consiste no rompimento de pequenos vasos sanguíneos na conjuntiva, ocasionando uma mancha vermelha de sangue no olho. 

DR P. MARAZZI/SCIENCE PHOTO LIBRARY

A conjuntiva é uma fina película transparente que recobre a parte branca dos olhos chamada de esclera, como se pode ver na imagem abaixo.

https://www.allaboutvision.com/

Esse quadro é comum e não costuma atingir a visão e nem o interior dos olhos do paciente. 

Principais sintomas

O paciente poderá iniciar o quadro com uma pequena mancha vermelha de sangue em alguma parte dos olhos, como foi o caso da ex-BBB, que iniciou com mancha no canto do olho esquerdo.

Além disso, o paciente pode ter com outros sintomas como: 

  • Vermelhidão no olho;
  • Sensação de areia na superfície do olho.

Algumas causas do hiposfagma são trauma ocular (mesmo de leve intensidade), atividade física intensa (pegar peso), uso de lente de contato ou cirurgia oftalmológica recente. 

Contudo, na grande maioria dos casos o paciente diz que a mancha surgiu do nada, como relata Patrícia Leitte, não estabelecendo vínculo com nenhuma situação específica. 

No geral, idosos são mais acometidos, visto que eles têm maior tendência a apresentar doenças vasculares sistêmicas como diabetes mellitus e hipertensão arterial. 

Como fazer a semiologia do olho no caso de um derrame ocular? 

No geral, o derrame ocular é assintomático. Portanto, fica mais fácil excluir o diagnóstico de outras doenças oculares mais graves como conjuntivite, uveíte ou corpo estranho ocular, que costumam apresentar sintomas. 

Para um bom diagnóstico, é necessário fazer uma boa semiologia ocular entendendo quando o derrame ocular se iniciou, se já houveram outros episódios e se há outros sintomas associados. 

Vale salientar que muitos episódios em um curto espaço de tempo, pode estar ligado a uma doença hematológica primária ou secundária ao uso de algum medicamentos. 

Tratamento

No geral, o derrame ocular desaparece sozinho entre duas ou três semanas. Contudo, para acelerar esse processo é possível aplicar compressas de água fria duas vezes ao dia no olho acometido. 

Ao fazer isso, a baixa temperatura provoca uma vasoconstrição, que ajuda  paciente a diminuir o sangramento, cursando com uma recuperação mais rápida. 

Referência bibliográfica:

Kansk, J. J. Oftalmologia clínica: uma abordagem sistemática. 8.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016. 

Série Oftalmológica Brasileira – Conselho Brasileiro de Oftalmologia. 2. ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2011. 

Sugestão de leitura complementar

Você sabia que a área da medicina pode ter seu próprio “OAB” em breve? O projeto de lei para implantação do Exame Nacional de Proficiência da Medicina (ENPM) já está em tramitação no senado. Preparamos um conteúdo completo sobre a OAB dos médicos.

Compartilhe com seus amigos: