Infectologia

Resumo sobre candidíase masculina – Sanarflix

Resumo sobre candidíase masculina – Sanarflix

Compartilhar

SanarFlix

5 min39 days ago

Definição

Candidíase masculina é a infecção causada por fungo do gênero Candida, a qual apresenta em uma extensa variedade de síndromes clínicas.

A colonização do pênis por Candida ocorre em 15 a 20 % dos homens e é mais comum em pessoas diabéticas, em indivíduos não circuncidados ​​ou que têm parceiros com candidíase vaginal recorrente.

Apenas um terço desses pacientes colonizados apresentam sintomatologia. No entanto, o homem pode ser acometido com outras formas da doença, como a candidíase oral e as formas sistêmicas da doença. A espécie mais frequente nos homens é a  C. albicans

Na candidíase peniana as causas incluem intercurso sexual com alguém infectado, imunidade baixa, antibióticos e diabetes. Candidíase peniana é bem menos comum do que na vagina, sendo a mulher bem mais afetada do que o homem.Os homens muitas vezes não tomam conhecimento que podem sofrer deste mal. 

Patogênese  

O fungo pode ser encontrado em pessoas saudáveis sem manifestarem a doença. Essa só irá ocorrer quando houver uma alteração um desequilíbrio nos mecanismos de defesa, para que a doença supere o sistema imunológico do paciente e se estabeleça.

Os fatores de risco são flora bacteriana natural da pele desregulada, uso de antibióticos, estresse, ingestão excessiva de carboidratos ou disfunções hormonais. 

As espécies de Candida têm pouca virulência inerente, conforme ilustrado por sua capacidade de existir em uma relação comensal com humanos e outros animais.

No entanto, vários fatores de virulência foram identificados, como a capacidade de se adaptar a diferentes nichos biológicos, podendo ser considerado, a rigor, um organismo “pleomórfico”, adaptação ao pH ambiente do hospedeiro, calcineurina e vários mecanismos de adesão.

Quadro clínico da candidíase masculina    

O homem pode ser infligido por alguns tipos de Candidíase, os quais variam de acordo com algumas características. A infecção sintomática por Candida geralmente se apresenta com erupção cutânea eritematosa dolorosa ou pruriginosa e, às vezes, com exsudato branco semelhante a coalhada presente.

Prurido e queimação são mais perceptíveis após a relação sexual. As lesões podem-se estender ao escroto e às pregas da pele e, em alguns casos, causar uma uretrite transitória.

O exame físico pode revelar a presença de pequenas pápulas com eritema manchado e aparência erodida, seca ou vidrada.

Balanopostite
Balanopostite

O desenvolvimento de balanite ou fimose em um homem saudável pode ser a primeira manifestação de diabetes mellitus. A glicose sanguínea mal controlada está associada à proliferação de espécies de candidas sob o prepúcio, o que pode levar à balanite.

Diagnóstico da candidíase masculina  

Em particular, certas características históricas (por exemplo, diabetes mellitus, infecção por HIV, obesidade) ou exames (por exemplo, exsudato branco, semelhante a coalhada) levantam a suspeita de infecção por Candida, a etiologia mais comum identificada de balanite.

Se disponível, uma coloração de hidróxido de potássio (KOH) pode ser examinada por microscopia para levedura de brotamento e / ou pseudo-hifas. Os pacientes com balanite por cândida sem condições predisponentes identificáveis ​​devem ser rastreados para diabetes mellitus. 

Pseudo-hifas de Candida albicans  na preparação de hidróxido de potássio (KOH) em microscopia de luz.

Tratamento da candidíase masculina

O  manejo da balanite por candidíase inicialmente é focado na implementação de medidas de higiene locais. A retração do prepúcio com limpeza genital completa pode ser preventiva e terapêutica. O banho duas vezes ao dia da área afetada com solução salina deve ser encorajado. 

Para a maioria dos pacientes, o tratamento inclui o uso de antifúngicos tópicos, geralmente por uma a três semanas. A terapia de primeira linha inclui um imidazol tópico, clotrimazol 1% ou miconazol 2%, cada um aplicado duas vezes ao dia. O creme de nistatina (100.000 unidades/g) pode ser usado em pacientes alérgicos a imidazóis.Para pacientes com sintomas mais graves, as opções são uma dose única de fluconazol oral 150 mg ou a combinação de um imidazol tópico e hidrocortisona 1% creme duas vezes ao dia. A C. albicans pode desenvolver resistência ao medicamento antimicótico.

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.