Ciclo Clínico

Quando devo pedir o PSA? | Colunistas

Quando devo pedir o PSA? | Colunistas

Compartilhar

Gabrielle Petranhski Caldas

5 minhá 5 dias

Damos início a mais um novembro azul e novamente aquela dúvida aparece: quando devemos pedir a dosagem de PSA (antígeno prostático específico)? Temos uma idade mínima para esses homens? E idade máxima? Alguns fatores de riscos são determinantes para esse pedido?

Uma boa indicação desse exame pode salvar vidas, e neste texto vou te trazer todas as respostas.

O que é o PSA?

O antígeno específico da próstata (PSA) é o teste que revolucionou a detecção de câncer de próstata e tem sido usado desde 1994. Esse exame consiste em análise de uma amostra de sangue, submetida a uma técnica de radioimunoensaio. Com o diagnóstico facilitado, houve um grande aumento da descoberta dos casos ainda em estágio inicial, fazendo com que, consequentemente, aumentasse também as chances de cura.

Atualmente, o PSA é o marcador mais utilizado para diagnóstico de câncer de próstata, porém tem baixa especificidade e, portanto, não determina o diagnóstico. É um marcador sensível a reações inflamatórias na região prostática e seu resultado positivo pode indicar outras doenças na próstata como a prostatite. Dessa forma, é considerado um exame inespecífico.

A discussão de quando fazer o exame PSA ou não veio pelo aumento excessivo de diagnósticos de câncer de próstata. Esse aumento exacerbado fez com que aumentasse também o número de pacientes realizando tratamento de forma desnecessária em cânceres indolentes (não agressivos). Nesses casos, o homem submetido ao tratamento acaba sendo exposto a um risco de vida maior do que os benefícios com a terapêutica.

E agora você deve estar se perguntando: então, o que devo fazer?

Segundo a American Urological Association (AUA) e a American Cancer Society (ACS), o médico deve apresentar aos homens entre 55 a 69 anos a possibilidade de fazer o exame, esclarecendo todos os riscos e benefícios da sua realização.

O risco maior está em ter um diagnóstico falso-positivo para câncer de próstata e a detecção de um câncer indolente. Já o benefício se dá pelo diagnóstico precoce, que em muitos casos evitará a prostatectomia (retirada da próstata), cirurgia que traz aos homens diversos efeitos colaterais, responsável por grande número de casos de incontinência urinária e disfunção erétil a longo prazo.

Em casos individuais, você deve considerar a história familiar (câncer de próstata grave em homens com menos de 65 anos), condições médicas e comorbidades (HAS, DM e obesidade). Homens com sintomas de dor lombar, problemas de ereção e micção, dor na bacia ou joelhos e sangramento pela uretra podem ser suspeitos.

É importante lembrar que o rastreamento deve ser feito a cada dois anos, pois o rastreamento anual aumenta a taxa de falsos-negativos, e o teste não costuma ser feito em homens a partir dos 70 anos de idade, pois o risco de desenvolver a doença é mínimo.

Resultados esperados

Um nível de PSA no sangue abaixo de 4ng/mL é considerado normal. Na classificação para pacientes com câncer, estão em baixo risco valores abaixo de10ng/ml, risco intermediário pacientes com valores entre 10-20ng/ml, e alto risco acima de 20ng/ml. Essa classificação também deve considerar a escala de Gleason e o estadiamento para CA de próstata.

O resultado negativo do PSA garante que não haja câncer?

Segundo o Ministério da Saúde, aproximadamente 20% dos homens com câncer de próstata sintomático apresentam um PSA normal. Algumas lesões também não são palpáveis ao toque retal, sendo, portanto, recomendado a realização dos dois exames para maior acurácia. Logo, apenas o resultado negativo de PSA não é garantia.

Outros exames para rastreio

Outros exames utilizados para obter resultados mais específicos são:

  • Densidade do PSA, exame que analisa a relação entre PSA sérico e o volume prostático, avaliado por ultrassom transretal;
  • Velocidade do PSA, que é a variação da concentração do marcador ao longo do tempo;
  • Avaliação das proporções de diferentes isoformas de PSA (PSA livre, PSA complexado, pró-PSA e PSA B);
  • Exame digital retal.

Em casos de câncer já comprovados por esses exames, biópsia e ressonância magnética são utilizados para avaliação do estágio em que o paciente se encontra.

Conclusão

Podemos concluir que o PSA é uma ferramenta muito útil no diagnóstico precoce do câncer de próstata. Entretanto, devemos fazer seu uso com cautela, direcionando o exame à faixa etária de 55 a 69 anos principalmente. Um resultado falso positivo, ou um diagnóstico de câncer indolente estão entre os possíveis riscos do exame. 

Portanto, é essencial estabelecer uma comunicação efetiva entre você e o paciente, para que os riscos e benefícios fiquem claros a ele e sua escolha seja a mais correta possível.

Autora: Gabrielle Petranhski Caldas

Instagram: @gabipetranhski

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.