Residência Médica

As melhores residências em Reumatologia

As melhores residências em Reumatologia

Compartilhar

Sanar Residência Médica

12 min há 243 dias

É sempre muito dificil determinar quais são as melhores residências em reumatologia pois corremos o risco de deixar boas para trás. Entretanto, a proposta aqui é apontar aquelas notadamente reconhecidas.

A Reumatologia

A reumatologia é a especialidade médica que se ocupa das doenças reumáticas, condições patológicas que acometem o tecido conjuntivo (articulações, ossos, músculos, tendões e ligamentos).

Atualmente, dedica-se ao diagnóstico e tratamento das mais de 120 doenças reumáticas catalogadas. São enfermidades que podem ser agudas e até mesmo crônicas e atingem indivíduos de qualquer idade. 

Em Reumatologia, além do quadro clínico apresentado, frequentemente é preciso a utilização de métodos complementares de investigação, entre eles exames laboratoriais ou radiográficos, ecografia ou ressonância magnética de modo a auxiliar o médico em um diagnóstico preciso para definição de tratamento – que será feito de acordo com a necessidade de cada paciente.

Métodos auxiliares de tratamento como Fisioterapia e Acupuntura também são praticados para amenizar os sintomas, melhorar e até restabelecer as funções neuromusculares, mas somente devem ser feitas com prescrição médica. O reumatologista é o especialista que possui o conhecimento teórico e prático necessário para diagnosticar, tratar e prevenir esses males. 

Doenças reumatológicas

São diversos os subtipos das doenças que podem ser caracterizadas por alterações funcionais do sistema musculoesquelético, como:

  • Doenças difusas do tecido conjuntivo: lúpus sistêmico, artrite reumatóide, esclerose sistêmica, doença muscular inflamatória, policondrite recidivante, doença mista do tecido conjuntivo, Síndrome de Sjogren;
  • Doenças osteometabólicas: osteoporose, doença de Paget, osteomalácia, hiperparatireoidismo;
  • Vasculites sistêmicas: poliangeíte granulomatosa, arterite temporal, poliarterite nodosa, entre outras;
  • Doenças degenerativas: osteoartrite;
  • Reumatismos extra-articulares: fibromialgia, bursites, tendinites, fasceíte plantar; espondiloartrites;
  • Artropatias microcristalinas: gota e condrocalcinose;
  • Artropatias reativas: febre reumática, doença Lyme, hepatite C, artrites infecciosas, osteomielite;
  • Artropatias secundárias e doenças não reumáticas: diabetes, neoplasias, hipotireoidismo;
  • Artropatias intermitentes: reumatismo palindrômico, febre familiar do mediterrâneo.

A inflamação é o ponto comum entre as doenças reumatológicas, no entanto, ela pode ocorrer em qualquer órgão e, às vezes, de forma simultânea em diversos sistemas. O resultado são quadros clínicos complexos, que exigem conhecimento amplo da clínica médica para o diagnóstico e tratamento adequados. 

As doenças reumáticas quando não diagnosticadas de maneira correta, as doenças reumáticas chegam a causar graves prejuízos físicos e psicológicos nos portadores, entre eles a incapacidade de realizar tarefas cotidianas devido ao incômodo e a dor ocasionada pelas sequelas ocasionadas pelas patologias.

O médico reumatologista

O reumatologista pode atuar em diversas áreas: desde a realização de ultrassonografias e procedimentos invasivos até em laboratórios, estudando técnicas de determinação de genes, anticorpos etc. Também existe a possibilidade de trabalhar na indústria farmacêutica, em pesquisas clínicas ou na criação de novas drogas.

Alguns reumatologistas também atuam em centros de infusão, onde são aplicados alguns imunobiológicos de administração endovenosa, que requerem acompanhamento com médico e enfermeiro responsáveis. 

Apesar de diversos avanços tecnológicos na área nos últimos anos, a reumatologia ainda é uma especialidade essencialmente clínica. Por isso, exige conhecimentos básicos de anamnese e exame físico, além do apreço pelo contato direto com o paciente. 

É necessário um amplo e aguçado raciocínio clínico para perceber a história clínica dos pacientes: aqueles com doença degenerativa costumam ter idade mais avançada, enquanto as doenças autoimunes tendem a acometer adultos jovens e pessoas de meia idade.

Geralmente, os pacientes têm evolução crônica e são acompanhados ambulatorialmente pelo profissional durante muitos anos, apesar disso alguns cursam com piora e podem evoluir mal, exigindo cuidados em unidades de internamento hospitalar. 

Segundo dados Relatório de Demografia Médica de 2018, o perfil de um médico reumatologista se refere há um profissional de em média 47 anos e 60% são mulheres com distribuição de 1,15 profissional a cada 100 mil habitantes. Por região, a quantidade de reumatologistas é Norte 4,0%, Nordeste 15,4%, Sudeste 54,8%, Sul 16,0% e Centro-Oeste 9,7%.

Sociedade Brasileira de Reumatologia

A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) é uma associação civil científica de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 15 de julho de 1949, na cidade do Rio de Janeiro, pelos médicos Herrera Ramos, Waldemar Bianchi, Pedro Nava, Israel Bonomo, Décio Olinto e outros, tendo mantido desde então sua tradição científica, acompanhando e promovendo o desenvolvimento da especialidade no Brasil e com um importante papel também internacional, especialmente entre os países da América Latina.

Com sede atual na Av. Brigadeiro Luís Antônio, 2466, 9º andar, conjunto 93/94, no bairro Jardim Paulista, na cidade de São Paulo, filiada à Associação Médica Brasileira, conta em torno de 2 mil associados, congrega 24 sociedades regionais estaduais, assessorias e comissões científicas e representações em associações nacionais e internacionais e junto ao Ministério da Saúde.

Mercado de trabalho

O principal e mais comum campo de atuação profissional para um médico reumatologista é o consultório. Por conta da natureza crônica da maioria das doenças, os pacientes costumam ser fiéis a um especialista, criando uma relação de confiança e reconhecimento.

No Brasil, segundo o Relatório de Demografia Médica de 2018, há 2.383 reumatologistas titulados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), o que representa apenas 0,6% do total de médicos atuando no país. Destes mais de 2000 reumatologistas, 54,8% atuam na região sudeste, 16% no sul, 15,4% no nordeste, 9,7% no centro-oeste e 4% no norte do país. 

A distribuição é irregular no território brasileiro e há déficit significativo desses profissionais no sistema público de saúde e em ambulatórios de especialidade. Nas regiões com menor concentração, as ofertas de trabalho costumam ser raras, porém tentadoras.

Remuneração

De acordo com levantamento feito pelo site Salário, a renda média bruta de um reumatologista no Brasil é de R$ 7.974,92 no mercado de trabalho para uma jornada de 18 horas semanais, sendo que R$ 7.278,62 é a média do piso salarial 2020 de acordos, convenções coletivas e dissídios levando em conta profissionais com carteira assinada em regime CLT de todo o Brasil.

A cidade com mais ocorrências de contratações e por consequência com mais vagas de emprego para médico Reumatologista é São Paulo – SP. Outras publicações sobre o tema, indicam que o salário pode variar de R$ 4.146,82 a R$ 17.109,68, a depender da experiência do profissional e da área de atuação.

Residência médica em Reumatologia

A residência médica em reumatologia tem duração de dois anos e pré-requisito de outros dois anos de residência em clínica médica, credenciados pela Comissão Nacional de Residência Médica/Ministério da Educação (CNMR/MEC).

A carga horária de 60h semanais é dividida da seguinte forma: 50% em atividades ambulatoriais e 50% em unidades de internação e interconsultas, medicina física e reabilitação, estágios complementares em ortopedia, reumatologia pediátrica e laboratório.

Até o momento não há subespecialização em reumatologia, porém é comum que quem opte pela carreira acadêmica aprofunde seus conhecimentos em determinadas doenças, realizando mestrado, doutorado e outros cursos de aprimoramento científico. 

A residência médica em Reumatologia é ofertada em todas as regiões brasileiras, com maior concentração no estado de São Paulo. Na escolha do curso ideal e que atenda suas expectativas, torna-se imprescindível que se avalie: 

  • Corpo docente;
  • Infraestrutura do ambulatório;
  • Possibilidade de avaliação de pacientes internados ou leitos de enfermaria disponíveis para a especialidade;
  • Existência de laboratório que realize testes de autoimunidade.

Por ser uma especialidade com muitas doenças sistêmicas, de acometimento de diferentes órgãos, é importante fazer uma boa residência de Clínica Médica visando um bom embasamento clínico, para atuação eficaz frente ao paciente.

Também é importante que o programa proporcione aprendizado nas áreas de ortopedia, controle de dor, reabilitação e fisiatria, laboratório, medicina do esporte, radiologia, ultrassom e procedimentos invasivos devido a interdisciplinaridade das moléstias reumáticas e a importância da equipe multiprofissional. 

Com relação à distribuição de vagas pelos programas de residência médica, segundo o relatório de Demografia Médica de 2018, no Brasil há em média 190 residentes médicos em treinamento profissional apesar de existir 312 vagas autorizadas pela CNMR/MEC, ou seja, a quantidade de vagas ociosas por não preenchimento ou abandono em todo o país é muito significativo.

Objetivo das residências em Reumatologia

Realizar o treinamento de médicos residentes para execução do processo de atendimento, diagnóstico e tratamento de paciente com queixas inflamatórias que acometem o tecido conjuntivo em unidades de ambulatório e enfermaria e contar com a presença de médicos preceptores com título de especialista pela Sociedade Brasileira de Reumatologia e eventualmente outros títulos (Mestre, Doutor, Livre-Docente) sob a supervisão contínua de um médico de reconhecida competência.

Competências esperadas do R1 e R2 em Reumatologia

Os objetivos específicos esperados do primeiro ano de residência médica em reumatologia (R1), são:

  1. Adquirir conhecimento básico da anatomia, bioquímica, fisiologia, biomecânica e histologia do sistema músculo-esquelético e noções básicas de imunologia, genética, biologia molecular;
  2. Saber elaborar uma anamnese voltada ao aparelho locomotor bem como do possível quadro sistêmico associado;
  3. Saber realizar a propedêutica completa do aparelho locomotor;
  4. Saber indicar e interpretar os exames subsidiários com ênfase aos exames hematológicos, imunológicos, bioquímicos e histopatológicos para diagnóstico e acompanhamento das doenças reumatológicas e ósseas;
  5. Saber indicar e realizar artrocentese, infiltrações intra-articulares e periarticulares. Saber realizar e analisar exame do líquido sinovial bem como interpretação da sinovianálise;
  6. Adquirir conhecimento das técnicas de imagem relativas ao aparelho locomotor, sua indicação e interpretação: radiografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética, ultrassonografia e medicina nuclear;
  7. Saber elaborar hipótese diagnóstica diferencial;
  8. Adquirir experiência em emergência e urgência dos casos reumatológicos;
  9. Adquirir conhecimento da terapêutica medicamentosa utilizada para o tratamento das doenças reumatológicas;
  10. Adquirir o conhecimento teórico das doenças reumatológicas;
  11. Adquirir o conhecimento e orientação dos princípios éticos, morais, sociais e econômicos da relação médico-paciente e com os outros profissionais da equipe de saúde; 
  12. Adquirir conhecimento dos princípios de epidemiologia clínica, bioestatística e medicina baseada em evidências

As competências exigidas para o segundo ano (R2) consistem em:

  1. Estabelecer a interface com as especialidades afins através de estágios opcionais: ortopedia, medicina física e reabilitação, reumatologia pediátrica, radiologia, patologia clínica (exames imunológicos), e dermatologia (caso não tenha oportunidade durante a RM de Clínica Médica);
  2. Adquirir treinamento e aptidão na realização de artrocentese e infiltrações periarticulares e intra-articulares. Realização de biópsia sinovial por agulha e suas indicações;
  3. Adquirir conhecimento da indicação, realização e interpretação de métodos diagnósticos como: eletroneuromiografia, densitometria óssea e capilaroscopia;
  4. Saber realizar o acompanhamento dos pré e pós operatórios das cirurgias ortopédicas em pacientes com doenças reumatológicas;
  5. Saber indicar e monitorar terapia biológica nas doenças reumatológicas em centros de infusão;
  6. Atividades de elaboração de pesquisa clínica, orientação e estímulo as atividades didáticas;
  7. Adquirir experiência em orientações educativas para pacientes e familiares;
  8. Ter conhecimento dos aspectos legais e sócio-econômicos das doenças reumatológicas;
  9. Realização de treinamento opcional,porém recomendado, em: biópsias diversas ( ósseas, pele, glândula salivar menor, músculo e subcutânea), ultrassonografia de tecido músculo-esquelético, capilaroscopia, densitometria óssea, eletroneuromiografia, artroscopia, sinoviortese com radioisótopos, bloqueio de nervos regionais e epidural, técnicas de mobilização e manipulação, aspiração e injeção discovertebral. 

Em resumo, a reumatologia é uma área da medicina em plena expansão e crescimento, aliada a evolução tecnológica e os novos conhecimentos. Tais ferramentas permitiram o desenvolvimento de novas terapêuticas e tem modificado o perfil de acometimento clínico e reduzindo a morbimortalidade por doenças reumatológicas. 

Apesar disso, ainda há carência de profissionais capacitados, distribuição irregular dos profissionais pelo território e vagas ociosas distribuídas por quase todos os programas de residência médica ofertados pela CNMR/MEC.

Quais são melhores residências em Reumatologia?

A escolha da residência médica é uma etapa fundamental na formação do médico. Sendo assim, o profissional deve pesquisar sobre as instituições que oferecem a especialidade escolhida para optar por aquelas que atendam as demandas para uma boa formação e suas necessidades.

Listamos algumas com excelentes referencias, apesar de não podermos, ainda, afirmar qual delas é a melhor. Veja:

  • FMUSP: Para 2021, há oferta de 11 vagas.
  • Unicamp: Para 2021, há oferta de 4 vagas.
  • Unifesp: Para 2021, há oferta de 11 vagas.
  • HC-UFMG: Para 2021, há oferta de 3 vagas.
  • HUPES: Para 2021, há oferta de 3 vagas.
Sanar-Residência-Médica-Trial-Extensivo-R1-2021

Confira o vídeo:

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.