Outros

Choque séptico

Choque séptico

Compartilhar

Sanar Pós Graduação

6 minhá 18 dias

Choque séptico é definido como hipotensão arterial sistêmica que persiste após a ressuscitação volêmica ou que necessite de drogas vasoativas para manter a PAM > 90mmHg.

Bactérias gram-positivas, Gram negativas e fungos são os microrganismos que mais frequentemente causam choque séptico.

Etiologia e fisiopatologia

Lesão endotelial e microvascular difusa podem causar ou piorar a perfusão tecidual, levando ao círculo vicioso encontrado em pacientes com choque séptico.

Fatores pró-coagulantes

O choque séptico é caracterizado pelo padrão pró-coagulante, com redução de anticoagulantes naturais, redução do inibidor do fator tecidual e da trombomodulina, além do aumento do inibidor do ativador do plasminogênio tipo 1.

Fluxo microcirculatório

A formação de microtombos, agregação plaquetária, monócitos e neutrófilos, edema das células endoteliais e diminuição da capacidade de deformação das hemácias potencializa a disfunção microcirculatória, piorando a lesão endotelial, achado típico do choque séptico.

Lesão endotelial

A resposta endotelial inclui a liberação de citocinas, moléculas pró-coagulantes e fator ativador de plaquetas, aumento da expressão de moléculas de adesão e da produção de óxido nítrico.

Você também pode se aprofundar na definição da sepse, fisiopatologia da sepse, diagnóstico e conduta da sepse ou ter uma visão geral sobre a sepse.

Confira aqui o CID-10 da Sepse e sobre a sepse neonatal.

Resposta cardiovascular

Choque séptico é a forma clássica de choque distributivo caracterizado por pressão de pulso e débito cardíaco aumentados, resistência vascular sistêmica baixa (pele úmida e quente) e hipovolemia funcional (pressão venosa jugular reduzida).

Diagnóstico

Não existe um exame laboratorial específico para diagnosticar o choque séptico. Essa patologia é definida como hipotensão induzida pela sepse que persiste após ressuscitação volêmica, com necessidade de uso de drogas vasopressoras.

O base excess está relacionado a presença e gravidade do choque séptico e os seus valores são úteis para monitorizar a reposição volêmica.

Tratamento

Indivíduos em sepse grave e choque séptico devem ser levados à sala de emergência e tratados de forma rápida. As primeiras 6 a 12 horas do tratamento são essenciais e se associam à redução da morbimortalidade.

Antibioticoterapia

A realização da antibioticoterapia em menos de 1 hora do diagnóstico do choque séptico é um determinante na redução da mortalidade.

Antibioticoterapia na sepse e choque séptico. Medicina de Emergência: Revisão Rápida.

Ressuscitação volêmica

É um dos tópicos mais importantes no manuseio do paciente séptico na sala de emergência. A rápida e eficaz restauração da volemia bloqueia o ciclo vicioso do choque e reduz a necessidade de vasopressores.

  • Volume de cristaloide: 20 a 40 mL/kg; pode-se iniciar com soro fisiológico, seguido de ringer lactato (se não houver suspeita de hipercalemia ou insuficiência hepática).
  • O ringer lactato evita a acidose metabólica hiperclorêmica que pode se seguir ao uso de grandes volumes de soro fisiológico (NaCl a 0,9%).

Drogas vasoativas

Noradrenalina é a droga de escolha. Vasopressina ou epinefrina são úteis no choque refratário, adicionadas à noradrenalina. Vasopressina pode ser usada em monoterapia, como alternativa à noradrenalina.

Uso das drogas vasoativas no choque séptico. Medicina de Emergência: Revisão Rápida.

Terapia guiada por metas

Essa estratégia baseia-se num protocolo de condução inicial de pacientes com sepse grave e choque séptico ressuscitados nas primeiras 6 horas (golden hours), ainda na sala de emergência.

VariávelMeta
Melhora da perfusão periféricaTEC<3seg
Débito urinário≥0,5ml/kg/h
Pressão arterialPAM ≥65mmHg
PVC8 a 12 mmHg; Paciente intubado: 12 a 15mmHg
Ultrassom na sala de emergênciaMedidas seriadas são úteis
SvcO2≥70%
Lactato arterial ou venoso centralNormalização dos valores séricos
Terapia guiada por metas.

Outras medidas

  • Insulina regular IV, em BIC, se duas glicemias consecutivas >180mg/dl.
  • Profilaxia de úlcera de estresse (indicada se houver risco de sangramento): Ranitidina ou Omeprazol.
  • Profilaxia de trombose venosa profunda: Heparina de baixo peso molecular e/ou meias compressivas ou dispositivos de compressão pneumática intermitente.
  • Transfusão de hemácias (se Hb <7g/dl).
  • Transfusão de plaquetas, se indicação.
  • Diálise.

Pontos importantes

  • As primeiras 3 a 6 horas do tratamento são essenciais para a redução da morbimortalidade;
  • Instituir antibioticoterapia precoce ( antes de 1 hora da identificação do paciente séptico);
  • Controlar o foco infeccioso;
  • Ressuscitação hemodinâmica com solução cristalóide deve ser iniciada o mais breve possível;
  • Noradrenalina se PAM<65mmHg, não responsiva aos fluidos;
  • Hidrocortisona é indicada se aumento frequente da noradrenalina ou em choque refratário a noradrenalina;
  • Vasopressina ou epinefrina são úteis no choque refratário.

Curso gratuito em Medicina de Emergência

Confira também nosso CURSO GRATUITO EM MEDICINA DE EMERGÊNCIA.

Referências

Martins HS, Neto RA, Velasco IT. Medicina de emergências: abordagem prática. 14. ed. rev. e atual. Barueri, SP: Manole, 2020.

Martins H S, Santos R , Arnaud F et al. Medicina de Emergência: Revisão Rápida. 1ª edição. Barueri, SP: Manole, 2016.

Oliveira, CQ, Souza, CMM, Moura, CGG. Yellowbook: Fluxos e condutas da medicina interna. SANAR, 1ª ed, 2017.

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.