Urgência e Emergência

Sepse e choque séptico: diagnóstico e conduta

Sepse e choque séptico: diagnóstico e conduta

Compartilhar

Sanar Pós Graduação

7 minhá 26 dias

Após o lançamento do Surviving Sepsis Campaign (2016) ocorreram mudanças no diagnóstico e conduta da sepse e do choque séptico. O consenso atual prioriza o diagnóstico da sepse clínica, diminuindo o valor dos exames complementares. O conceito de Síndrome da Resposta Inflamatória Sistêmica (SIRS) não é mais utilizado para o diagnóstico de sepse, mas seus componentes podem ser úteis na pratica clínica para suspeitar de infecções.

Você também pode se aprofundar na definição da sepse, fisiopatologia da sepse, choque séptico ou ter uma visão geral sobre a sepse.

Escores de Sepse

SIRS (0 a 4 Pontos): Síndrome da Resposta Inflamatória Sistêmica

Forma antiga (1992-2016).

Critérios (pelo menos 2):

  • Temperatura >38ºC ou <36ºC
  • FC > 90 BPM
  • FR > 20 ou PaCO2 < 32
  • Leucocitose > 12.000/mm³ ou Leucopenia < 4.000 mm³ ou >10% de bastões

SOFA (0-24 Pontos): 13 Variáveis

Forma mais complexa e completa de avaliação

The Third International Consensus Definitions for Sepsis and Septic Shock (Sepsis-3). Jama
Fonte: Jama Network Journal

Caso haja evidência de infecção e SOFA ≥ 2 há um risco de mortalidade intra hospitalar de 10%.

Quick SOFA (q-SOFA ou SOFA rápido: 0-3 pontos)

Objetivo: Rastreamento de pacientes com probabilidade de ter sepse.

Faz o diagnóstico precoce de sepse, sendo uma ferramenta para usar à beira do leito que identifica pacientes com suspeita/documentação de infecção que estão sob maior risco de desfechos adversos.

Critérios

  • PA Sistólica < 100 mmHg
  • FR > 22ipm
  • Alteração Estado Mental (Glaslow < 15)
Critérios do qSOFA. Disponível em: www.qsofa.org

Se Quick SOFA positivo, aplicar o escore SOFA que avalia disfunção orgânica.

Pelo menos 2 critérios do qSOFA é indicativo de maior risco com mortalidade ou permanência prolongada na UTI.

Fora da UTI a suspeita de Sepse é levantada quando há infecção avaliada por cultura em dois sítios distintos e qSOFA > 2. Contudo, o qSOFA não é um instrumento para diagnóstico.

Fonte: Jama Network Journal

Definições e critérios clínicos definidores

Sepse

Definição

Disfunção Orgânica (Caracterizada por SOFA ≥ 2) potencialmente fatal causada por uma resposta imune desregulada a uma infecção.

Critérios Clínicos

Infecção documentada ou suspeitada e aumento agudo de ≥ 2 pontos no escore SOFA em resposta a uma infecção (representando disfunção orgânica).

Sepse pelo novo consenso é semelhante à “sepse grave” pelo Surviving Sepsis Campaign Guidelines.

Confira aqui o CID-10 da Sepse e sobre a sepse neonatal.

Choque séptico

Definição

Sepse acompanhada por profundas anormalidades circulatórias e celulares/metabólicas capazes de aumentar a mortalidade substancialmente.

Fonte: Jama Network Journal

Critérios Clínicos

Paciente com sepse e necessidade de vasopressor para manter a pressão arterial média (PAM) acima de 65 mmHg e lactato > 2 mmol/L (18 mg/dL) após reanimação volêmica adequada.

O choque séptico é uma sepse muito grave, sendo distinguidas pela mortalidade. As anormalidades circulatórias e celulares/metabólicas são profundas.

Desvantagens do SEPSE 3.0

  • Validação do qSOFA é retrospectiva. Não existe estudo prospectivo que tenha validado a acurácia, performance e segurança do Sepsis-3.
  • Base de dados apenas em países desenvolvidos.
  • Não incorporação do lactato no escore SOFA.

No quadro abaixo estão as principais mudanças do Sepsis-2 (2012) para o Sepsis-3 (2016).

Conduta

SUPORTE BÁSICO: MOVer + suporte respiratório + avaliação da perfusão
TERAPIA GUIADA POR METAS: após ter realizado o diagnóstico de sepse deve-se iniciar imediatamente o protocolo de ressuscitação. O protocolo se baseia na early goal-directed therapy, que se refere à administração precoce de fluidos endovenosos visando melhorar a perfusão tecidual ou limitar a disfunção orgânica, com consequente redução da mortalidade.

Conduta da sepse na emergência. Medicina de Emergência: Revisão Rápida.
Pontos relevantes nas primeiras 3 e 6 horas do tratamento.

Curso gratuito em Medicina de Emergência

Confira também nosso CURSO GRATUITO EM MEDICINA DE EMERGÊNCIA.

Referências

Martins, HS, Brandão, RA, Velasco, IT. Emergências Clínicas – Abordagem Prática – USP. Manole, 12ª edição, 2018.

Taniguchi LU, Bierrenbach A, et. al. Sepsis-related deaths in Brazil: an analysis of the national mortality registry from 2002 to 2010. Crit Care. 2014; 5;18(6):608.

Oliveira, CQ, Souza, CMM, Moura, CGG. Yellowbook: Fluxos e condutas da medicina interna. SANAR, 1ª ed, 2017.

Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. Sepse: um problema de saúde pública / Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. Brasília: CFM, 2015.

Singer, M., Deutschman, C. S., Seymour, C. W., Shankar-Hari, M., Annane, D., Bauer, M., … Angus, D. C. (2016). The Third International Consensus Definitions for Sepsis and Septic Shock (Sepsis-3). Jama, 315(8),801–10. doi:10.1001/jama.2016.0287

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.