Urologia

Entenda o porquê de não existir prevenção para o câncer de próstata

Entenda o porquê de não existir prevenção para o câncer de próstata

Compartilhar
Imagem de perfil de Carreira Médica

Câncer de próstata: saiba tudo sobre manifestações clínicas, diagnóstico e mais!

Devido a alta incidência desse tipo de câncer, Novembro foi concebido como o mês de conscientização e é uma iniciativa nacional, que busca desmistificar o câncer de próstata. Estudos mostram que a melhor prevenção para o câncer de próstata é o diagnóstico precoce da doença. 

De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil, esse tipo de neoplasia é o segundo mais comum entre os homens, ficando atrás do câncer de pele não melanoma. Para o Instituto Nacional do Câncer é estimado que haja 62,95 casos novos a cada 100 mil homens. No mundo, a  taxa de incidência é maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento. 

Dentre os pacientes acometidos pela doença, cerca de 75% ocorre nos pacientes com mais de 65 anos. Por conta disso, o câncer de próstata é considerado um câncer da terceira idade.

Qual etiologia e fisiopatologia do câncer de próstata? 

É possível dividir os cânceres de próstata em dois grupos, são eles:

  • Câncer de origem epitelial 
  • Câncer de origem estromal (não-epitelial)

Dentre os principais aspectos necessários para o desenvolvimento do câncer de próstata, está a testosterona. Isso ocorre porque os cânceres de próstata expressam níveis altos de receptores androgênicos, e a sinalização por meio do receptor androgênico resulta em crescimento, progressão e invasão pelo câncer de próstata. 

Quando há uma redução cirúrgica ou farmacológica das concentrações de testosterona, tem-se uma apoptose e involução do câncer de próstata. Apesar dessas informações, ainda não se sabe os eventos biológicos que cercam o desenvolvimento clínico do câncer de próstata androgênio-resistente. 

Fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de próstata

Dos diversos fatores de risco envolvidos nesta patologia, os mais importantes são:

  • Idade: a incidência aumenta rapidamente a partir dessa idade, atingindo pico entre 65 e 74 anos
  • Etnia: mais comum em homens negros do que em brancos ou hispânicos
  • Fatores genéticos e hereditários: homens com histórico familiar de câncer de próstata em ambos lados da família, particularmente aquele com um parente de primeiro grau diagnosticado com idade < 65 anos, possuem um risco maior

Quais os sintomas? 

A maioria dos pacientes que estão acometidos com a doença no estágio inicial, restrita ao órgão, são assintomáticos

Quando aparecem, os sintomas costumam ser miccionais obstrutivos:

  • Hesitação 
  • Fluxo urinário intermitente
  • Nictúria
  • Perda de força do fluxo

Os tumores localmente avançados também podem resultar em hematúria e hematospermia. Além disso, quando há metástase para os linfonodos pélvicos, é possível que esses pacientes sejam acometidos com edema dos membros inferiores ou desconforto nas áreas pélvicas e perineais. 

Como é realizado o diagnóstico?

O diagnóstico do câncer da próstata é realizado através do estudo histopatológico do tecido obtido pela biópsia da próstata. A biópsia deve ser realizada quando houver anormalidade no toque retal ou na dosagem do PSA. 

Por meio do relatório anátomo-patológico é possível obter informações quanto à graduação histológica, o que ajuda na definição da provável taxa de crescimento do tumor e sua tendência à disseminação. Além disso, é através das características histológicas que é possível decidir o principal tratamento para o paciente. 

Quando é recomendado fazer o exame de toque prostático? 

O exame de próstata é realizado, no geral, quando se há sintomas que possam estar ligados a uma inflamação da próstata como uma incontinência urinária. 

Para rastreamento de câncer de próstata, não existem evidências que mostrem que a realização desse exame diminua a mortalidade por esse câncer. Dessa forma, o Instituto Nacional do Câncer (INCA), ligado ao Ministério da Saúde, recomenda que o médico e o paciente conversem sobre os riscos e benefícios da realização desse exame. 

A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) segue a mesma orientação. Contudo, a SBU recomenda que homens negros ou com histórico familiar de câncer de próstata façam exames diagnósticos a partir dos 45 anos, cabendo ao médico estipular a periodicidade.

É possível prevenir o câncer de próstata?

A melhor forma de prevenir o câncer de próstata é fazer um diagnóstico precoce da doença. Com base nas evidências científicas disponíveis até o momento e  entendendo que o conjunto das estratégias de detecção precoce e tratamento de um câncer deva resultar em mais benefício do que dano, tanto na perspectiva do indivíduo quanto da população, é recomendado: 

  • Não indicar o rastreamento populacional, baseado na ausência de evidências da efetividade das modalidades terapêuticas propostas para o câncer em estádios iniciais e do risco de seus efeitos adversos.
  • Sensibilizar a população masculina para a adoção de hábitos saudáveis de vida 
  • Indicar o rastreamento oportunístico (case finding), ou seja, a sensibilização de homens com idade entre 50 e 70 anos que procuram os serviços de saúde 

Desenvolva seu raciocínio clínico e saiba como diagnosticar precocemente o câncer de próstata

Durante todos os atendimentos, é necessário que o médico tenha um bom raciocínio clínico e saiba fazer diagnósticos diferenciais para o seu paciente. Ao desenvolver essa habilidade, o profissional é capaz de dar diagnósticos cada vez mais precoces relacionados a neoplasias e demais patologias. 

Pensando em te ajudar, você sabia que existe um livro para desenvolver o seu Raciocínio Clínico? Entender como sua mente processa cada informação do paciente desde o início até o fim da consulta é uma prática essencial para um bom profissional. Com isso, você estará habilitado para interligar os sinais e sintomas do paciente, conduzindo o atendimento de forma eficaz. 

Confira o nosso livro “Raciocínio Clínico: Diagnóstico Diferencial À Beira do Leito”! Com ele, você terá acesso a 30 casos clínicos reais, com: 

  • Discussão de caso
  • Exames laboratoriais
  • Exames de imagem
  • Diagnósticos

Referência bibliográfica

  • GOLDMAN, L. Cecil Medicina. Elsevier, 24º ed.
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Câncer de próstata. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cancer_da_prostata.pdf>. Acesso em 04 de Novembro de 2022. 
  • ROBBINS. Patologia. 9ºed.
  • JAMESON, J. L.; KASPER, D. L.; LONGO, D. L.; FAUCI, A. S.; HAUSER, S. L., LOSCALZO, J. Medicina interna de Harrison. 20. ed. Porto Alegre: AMGH, 2020.

Sugestão de leitura complementar