Ortopedia

Resumo sobre fraturas – Sanarflix

Resumo sobre fraturas – Sanarflix

Compartilhar
Imagem de perfil de SanarFlix

Resumo sobre fraturas: da definição ao tratamento, passando pela classificação, fisiopatologia, sinais e sintomas, diagnóstico e quadro clínico. Confira!

Definição

O conceito de fratura é a perda da continuidade óssea. Ou seja, qualquer perda de continuidade óssea, mesmo que não seja completa, é uma fratura. As fraturas geralmente resultam de traumas de alta energia. Contudo. podem ser relacionadas a traumas de baixa energia quando houver doença subjacente, como osteoporose ou câncer ósseo. 

Classificação das fraturas

As fraturas podem acometer a epífise do osso (região articular), metáfise ou na diáfise (corpo ósseo).

Fonte: Adaptado de Anatomia Orientada para a Clínica, 6a Ed., 2013)

As fraturas também podem ser classificadas quanto ao traço da lesão em:

  • Transversa
  • Longitudinal
  • Oblíqua exposta e desviada
  • Espiral
  • Além das fraturas simples e comunicativas.  
Fraturas
Fonte: radiologiapatologicablog.wordpress.com/

Quanto ao comprometimento articular da lesão, podemos ter fraturas intra-articulares ou extra-articulares. Na primeira, pode-se observar a invasão do traço da fratura até na articulação. Na segunda, podemos verificar que o traço fraturário não acomete a articulação.

Saiba mais sobre fraturas em idosos!

Fisiopatologia

Geralmente as fraturas surgem através de traumas de alta energia. O osso, em condições normais, possui a habilidade de suportar cargas e absorver essa energia. Caso haja um grande nível de energia associado ao trauma, o osso não consegue suportar e acaba sofrendo uma fratura.

Fraturas relacionadas a traumas de baixa energia devem acender um alerta sobre a possibilidade de fraturas patológicas. Essas fraturas estão associadas a doenças ósseas, entre outras que culminam com a fragilidade óssea. Como exemplo é possível citar a osteoporose ou lesões tumorais.

Cicatrização das fraturas

A cicatrização óssea geralmente é dividida em três estágios levemente sobrepostos: inflamatório, reparativo e de remodelação. A fase inflamatória inicial é dominada por eventos vasculares. Após uma fratura, forma-se um hematoma que fornece os blocos de construção para a cura. Posteriormente, ocorre a reabsorção de 1 a 2 mm de osso nas bordas da fratura que perderam seu suprimento sanguíneo. 

Na fase reparadora, novos vasos sanguíneos se desenvolvem de fora do osso. Dessa forma, há o fornecimento de nutrientes para a cartilagem, que começa a se formar no local da fratura. A imobilização quase completa é desejável durante a fase inflamatória e a fase reparadora inicial. Isso ocorre para que seja possível permitir o crescimento desses novos vasos. 

Na fase de remodelação, o calo endocondral torna-se completamente ossificado e o osso sofre remodelação estrutural. O processo de remodelação ocorre rapidamente em crianças pequenas, que remodelam todo o seu esqueleto todos os anos. No final da infância, a taxa de remodelação esquelética é de aproximadamente 10% ao ano. Ao longo da vida, esse valor continua próximo. 

Sinais e sintomas     

O quadro clínico é composto por:

  • Dor intensa e imediata que piora com a movimentação
  • Incapacidade funcional
  • Deformidade óssea, dependendo do alinhamento

As complicações imediatas incluem hemorragias, choque, lesão nervosa e contaminação. As principais complicações tardias incluem:

  • Osteomielite
  • Lesão nervosa
  • Embolia gordurosa (24 – 72 h após)
  • Gangrena gasosa (72 h após)
  • Consolidação defeituosa
  • Necrose asséptica
  • Pseudoartrose 

Como fazer o diagnóstico das fraturas?

A história e o mecanismo de lesão guiam o exame físico dos pacientes com possível fratura. Uma avaliação geral da região envolvida deve sempre ser realizada. Dessa forma, é necessário incluir a avaliação da função neurovascular e investigação de sinais de lesão de tecidos moles. Além disso, observa-se rupturas na pele da área da lesão, o que sugere a presença de fratura exposta.

O médico deverá palpar toda a área ao redor do local da fratura, incluindo todo o osso em questão, ossos adjacentes e pelo menos uma articulação acima e abaixo do local da lesão.

Alguns princípios básicos são úteis na obtenção de radiografias de uma fratura potencial como visualizações múltiplas e ortogonais. Além disso, é necessário uma boa qualidade de imagem em relação a ângulo, técnica e exposição, englobando todo o osso ou articulação em questão. Duas vistas ortogonais são o mínimo absoluto necessário para uma avaliação adequada. Geralmente, realiza-se as incidências AP (Anteroposterior) e em perfil nas lesões ortopédicas em geral.

Tratamento 

O tratamento definitivo envolve:

  • Alívio da dor
  • Redução da fratura (recolocação do osso em sua posição habitual, podendo ser realizado de forma cirúrgica ou fechada)
  • Imobilização e restauração da função do paciente com fisioterapia

A analgesia adequada é um aspecto importante do tratamento de fraturas agudas. A imobilização da fratura, aplicação de gelo, a elevação do membro afetado e os medicamentos analgésicos geralmente reduzem a dor. Para fraturas menores, paracetamol ou um antiinflamatório não esteroidal (AINE) costuma ser suficiente para a analgesia adequada. Os opioides podem ser necessários, mas devem ser usados ​​pelo menor tempo possível. Além disso, deve ser utilizado em combinação com outros medicamentos, sempre que possível. 

A imobilização da fratura é benéfica na grande maioria dos casos. Impede o deslocamento da fratura ou a perda de redução, protege a área de mais lesões e reduz a dor. Existem diversos tipos de imobilização que podem ser utilizados no tratamento das fraturas. Uma das principais modalidades de imobilização envolve a utilização do aparelho gessado, em torno de todo o membro onde houve a fratura ou com uma tala gessada, apenas em uma face do local onde houve a fratura. 

Os procedimentos cirúrgicos envolvem:

  • Utilização de fixadores externos, como os fixadores circulares Ilizarov
  • Fixadores internos pautada pelo uso de placas e parafusos que realizam a fixação óssea

Sugestão de leitura complementar

Confira o vídeo: