Ortopedia

Resumo sobre lesões de menisco (completo) – Sanarflix

Resumo sobre lesões de menisco (completo) – Sanarflix

Compartilhar

SanarFlix

6 minhá 202 dias

Definição

Lesões meniscais do joelho são comuns. As rupturas meniscais agudas ocorrem mais frequentemente em lesões por torção. Já as rupturas degenerativas crônicas ocorrem em pacientes mais velhos e podem ocorrer com torção mínima ou estresse. Se não forem tratadas, rupturas grandes e complexas podem prejudicar o movimento suave do joelho, causar derrames nas articulações e causar osteoartrite prematura. 

Anatomia dos meniscos  

Os dois meniscos contidos na articulação do joelho são almofadas de fibrocartilagem em forma de meia-lua localizadas entre os côndilos femorais e os planaltos tibiais. São dois meniscos, um medial e outro lateral, ambos localizados acima da tíbia. Sua borda periférica, espessa e convexa encontra-se intimamente aderida à cápsula articular, em contraste com sua porção central, mais fina e livre, que proporciona ao menisco um aspecto triangular no corte frontal. As diversas funções dos meniscos incluem a transmissão de força, a absorção de choque, a estabilização articular, a nutrição da cartilagem e a lubrificação articular. 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Menisco

Os meniscos recebem sangue de ramos das artérias geniculadas. No entanto, o fluxo arterial para as porções internas dos meniscos é limitado em comparação com as porções periféricas ou externas. Isso explica em parte por que as lágrimas dos meniscos internos geralmente não cicatrizam.  O formato dos meniscos também contribui para a distribuição do líquido sinovial por toda a articulação, para a lubrificação articular e nutrição da cartilagem. 

Fisiopatologia das lesões meniscais

As lesões meniscais agudas geralmente ocorrem quando uma pessoa muda de direção de uma maneira que envolve girar ou “torcer” o joelho enquanto o joelho é flexionado e o pé correspondente é plantado, fazendo com que o menisco seja comprimido entre o fêmur e a tíbia, levando à lesão. 

As lesões de menisco são classificadas de acordo com a localização, relacionando-se à vascularização meniscal, e quanto ao padrão da lesão. Assim, de acordo com a vascularização, três regiões são descritas em vermelha-vermelha, vermelha-branca e branca-branca. Quanto ao padrão de lesão, são classificadas como verticais, horizontais e complexas. 

Epidemiologia das lesões de menisco   

As rupturas são mais frequentes em pacientes jovens e relacionadas a episódios traumáticos. No entanto, quando ocorre em pacientes com idade mais avançada, as lesões podem ocorrer em pequenos movimentos torcionais durante a realização de atividades diárias. As rupturas meniscais são raras em crianças com menos de 10 anos.

Sinais e sintomas da lesão de menisco 

O evento agudo é seguido pelo início insidioso de dor e inchaço ao longo de 24 horas. A dor é exacerbada por movimentos de torção ou rotação. As rupturas graves geralmente estão associadas a dor mais significativa e restrição precoce do movimento do joelho. Alguns pacientes descrevem uma sensação de lacrimejamento ou estalo no momento da lesão. 

Pacientes com rupturas meniscais não tratadas podem apresentar semanas após a lesão queixando-se de estalos, travamento, travamento e o joelho “cedendo”, ou os pacientes podem simplesmente relatar uma vaga sensação de que o joelho não está se movendo corretamente. Essa sensação de instabilidade está relacionada à desinformação proprioceptiva que ocorre quando um fragmento meniscal flutua entre as duas superfícies articulares, criando a sensação de que o joelho não está na posição que deveria estar. 

Diagnóstico da lesão de menisco 

Diagnosticar uma ruptura meniscal aguda pode ser difícil porque os sintomas e sinais são frequentemente vagos e inespecíficos, pois a dor pode não ser bem localizada ou definida. Um diagnóstico presuntivo de ruptura meniscal é baseado no mecanismo de lesão no caso de lacerações agudas (geralmente envolvendo torção do joelho enquanto o pé está plantado). 

O exame clínico de eleição para avaliar patologias meniscais é a palpação da interlinha do joelho. Existem diversos outros testes descritos na literatura, porém o exame da palpação da interlinha do joelho é o principal indicador de patologia meniscal. O diagnóstico pode ser confirmado por imagem de ressonância magnética (RNM) ou artroscopia, embora isso seja desnecessário em muitos pacientes, particularmente naqueles com achados sugerindo que o manejo não operatório será bem-sucedido.  

Tratamento da lesão de menisco

O tratamento das rupturas meniscais depende do tipo de ruptura, da presença de sintomas mecânicos significativos (por exemplo, travamento do joelho), presença de derrame persistente no joelho, idade, nível de atividade e presença de osteoartrite. 

Rupturas pequenas intra-substanciais e verticais que causam sintomas raros e não interferem na função geral do joelho podem ser tratadas de forma não cirúrgica. Muitos médicos tentam esgotar as opções de tratamento conservador antes de encaminhar esses pacientes para cirurgia. Lesões meniscais crônicas degenerativas que ocorrem em pacientes mais velhos são tratadas de forma não cirúrgica na maioria dos casos.

Os procedimentos cirúrgicos podem ser necessários para rupturas meniscais associadas a derrames persistentes ou sintomas incapacitantes e para aquelas que envolvem rupturas grandes e complexas ou rupturas verticais em contato com a cartilagem articular. A curto espaço de tempo as meniscectomias simples seriam o melhor procedimento, porém, a médio e longo prazo, a sutura do menisco preservaria a função deste.

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.