Medicina da Família e Comunidade

Doença de Plummer: como diagnósticar e manejar meu paciente?

Doença de Plummer: como diagnósticar e manejar meu paciente?

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar Pós Graduação

Entenda o que é a Doença de Plummer, como identificá-la e conduzir o tratamento do seu paciente! Bons estudos!

A tireioide é um dos órgãos com produção hormonal mais relevante para a homeostase do organismo humano.

Configurando-se como um prejuízo justamente para essa atividade, a Doença de Plummer passa a merecer uma atenção especial do médico nos cuidados do paciente com alterações tireoideanas.

O que é a Doença de Plummer?

A doença de Plummer também pode ser conhecida por Bócio multinodular tóxico (MNG) é uma causa comum para o hipertireoidismo.

Pensando nisso, alguns estudos que a DP venha em 2º lugar em prevalência de doença tireoideana, estando atrás apenas da Doença de Graves.

Paciente com hipertireoidismo: quando suspeitar da Doença de Plummer?

É importante que o médico dê a devida atenção às questões relacionadas à tireoide.

A Doença de Plummer geralmente é suspeitada em pacientes com um diagnóstico de hipertireoidismo. Pensando nisso, as chances de que você realize a palpação da tireoide durante o exame físico e encontre alterações são grandes.

Por esse motivo, os que merecem ter como suspeitas a DP são aqueles que já possuem diagnóstico de um hipertireoidismo ou mesmo que ainda não fora diagnosticado. Ainda, é possível que já tendo o diagnóstico, esse paciente apresente exames ultrassonográficos que sugiram uma doença nodular tireoideana.

Perfil e sintomas do paciente com a Doença de Plummer

É importante saber que a prevalência do bócio multinodular tóxico aumenta à medida que os anos vão passando. Por isso, pacientes com mais idade, em geral mulheres com mais de 60 anos, tem mais chances de apresentar o quadro.

Outra situação que pode favorecer a DP é a deficiência de iodo. Esse micronutriente é fundamental para o ser humano, uma vez que é utilizado na síntese dos hormônios tireoideanos.

Doença de Plummer
Paciente com bócio.

A deficiência em iodo é pode ser observada em várias regiões do globo, e sua causa se relaciona a questões como:

  • Uso de sal não iodado na alimentação;
  • Consumo de alimentos oriundos de solos pobres em iodo;
  • Baixo consumo dos alimentos que são ricos em iodo.

Por isso, é importante que seja orientado ao seu paciente, em especial àquele que já apresenta demais comprometimentos tireoideanos a sempre escolher o sal iodado na sua dieta.

Alguns sintomas que são mais prevalentes nos pacientes com DP são:

  • Tremores;
  • Perda de peso;
  • Aumento do apetite;
  • Irritabilidade;
  • Hiperatividade;
  • Déficit de atenção;
  • Intolerância ao calor;
  • Dificuldade para respirar ou engolir.

Principais hormônios produzidos pela tireoide

Os hormônios produzidos pela tireoide possui papéis importantíssimos à vida humana, e por esse motivo as condições que comprometem essa produção são tão relevantes.

Pensando nisso, são papéis como a manutenção do calor corporal, bem como o fluxo de energia que são desempenhados pelos hormônios tireoideanos.

Para tanto, a tireoide produz dois hormônios:

  • Triiodotironina (T3);
  • Tiroxina (T4).

Ambos os hormônios realizam a ação que comentamos: regula como o corpo humano usa e armazena energia. Essa produção é resultado do controle realizado pela Glândula Hipófise ou pituitária, que produz o hormônio estimulante da tireoide (TSH).

Doença de Plummer
Glândua Pituitária ou Hipófise.

Diagnosticando a doença de Plummer: o que solicitar?

Os testes diagnósticos possuem uma importância especial, já que podem orientar o médico sobre as decisões do tratamento.

O hemograma completo , solicitando a segurança completa da tireóide , o médico e o hipertireoidismo.

Ainda, é importante que o nódulo seja percebido e identificado. Isso só será possível através de um exame de imagem, em especial a ultrassonografia de tireoide. Ela deve ser solicitada devido a palpação de nódulo durante o exame físico, o que justifica a solicitação. O que ainda pode justificá-la é caso ele seja identificado por um outro exame de imagem, realizado nas imediações da tireoide, como uma USG de carótida, por exemplo.

Considerando mulheres não gestantes, é possível que coexista a doença de Plummer e Graves. Por isso, é indicada uma cintilografia  de captação de iodo radioativo. Já nas pacientes que tem chances de estar grávidas ou de fato estão, devem realizar um teste beta HCG prévio a fim de se submeterem ao exame.

Doença de Plummer
Cintilografia da tireóide com iodo 123 (123-I) demonstrando um nódulo autônomo (“quente”) com supressão da captação de isótopos em outros lugares. 
A captação total de isótopos de 24 horas foi normal (12 por cento).

Como é realizado o tratamento da Doença de Plummer?

A principal abordagem terapêutica nesse quadro é a cirurgia.

Essa medida é a garantia de que os nódulos, havendo mais de um, serão ressecados. Os pacientes que, em geral, são elegidos para a cirurgia são aqueles que:

  • Possuem bócio muito grande (> 80g);
  • Sinais e sintomas de compressão/obstrução;
  • Necessidade de retorno rápido ao eutireoidismo;
  • Câncer de tireoide coexistente, ou ainda hiperparatireoidismo primário.

Além da cirurgia, outra opção viável é o tratamento com iodo radioativo. Ele é geralmente indicado para os pacientes que não se enquadram nos critérios acima, para a cirurgia.

Essa é também uma opção muito utilizada para esses pacientes. A sua administração é por uma solução via oral, ou uma cápsula de iodo de sódio 131 (131-I). Essa é uma maneira de concentrar a substância rapidamente no tecido tireoideano.

Ainda, no caso de pacientes que sejam mais idosos, ou ainda com um risco cardiovascular, costumam ser pré-tratados com tionamida previamente ao próprio iodo.

O tratamento para a Doença de Plummer é indicado para todos os pacientes com a condição?

O tratamento para a DP é indicado para todos os pacientes com  hipertireoidismo evidente devido a presença do(s) nódulo(s). Esses níveis são considerados em: TSH baixo com tiroxina livre T4 e/ou triiodotironina T3 elevada.

Além desse grupo, é indicado para aqueles com grandes bócios e sintomas de obstrução, ainda que a função tireoideana esteja preservada e sem anormalidades.

Como orientar o seu paciente sobre o seu quadro?

É importante que o seu paciente seja muito bem orientado sobre essa condição, em especial por ser um quadro envolvendo a glândula tireoide.

A escolha do tratamento é um dos pontos mais importantes durante os cuidados ao seu paciente. Por isso, deve ser discutido e bem conversado com ele.

É natural que haja o medo tanto da cirurgia quanto da radiação, e por isso um ou outro tratamento pode ser recusado. Ainda assim, esclarecer os riscos e sobretudo os benefícios do tratamento da doença é a chave para uma decisão bem tomada em favor da terapêutica e melhora do quadro clínico.

Posts relacionados

Perguntas frequentes

  1. Qual é a principal manifestação da Doença de Plummer?
    O hipertireoidismo é a principal manifestação da doença.
  2. O diagnóstico da doença pode ser feito por meio de quais exames?
    Por meio do exame físico, identificando os nódulos à palpação, ultrassonografia de tireoide ou cintilografia.
  3. Quais são as medidas de tratamento para o quadro?
    As medidas mais usadas são a cirurgia ou a radioterapia com iodo.

Referências

  1. Diagnostic approach to and treatment of thyroid nodules. Douglas S Ross, MD. UpToDate
  2. Treatment of toxic adenoma and toxic multinodular goiter. Douglas S Ross, MD. UpToDate
  3. Deficiência em iodo. BVS.
  4. Overview of the clinical manifestations of hyperthyroidism in adults. Douglas S Ross, MD. UpToDate