Ginecologia

Resumo sobre bartolinite (completo)

Resumo sobre bartolinite (completo)

Compartilhar
Imagem de perfil de SanarFlix

Resumo sobre bartolinite: da definição ao tratamento, passando pela fisiopatologia, epidemiologia, quadro clínico e diagnóstico. Confira!

A incidência de Bartolinite gira em torno de 2-3% das mulheres na população mundial, sendo fatores de risco a idade reprodutiva, baixa renda, relações sexuais com múltiplos parceiros, não uso de preservativos e história prévia de DSTs.

Os cistos e abscessos de Bartholin sintomáticos são responsáveis ​​por 2 % de todas as consultas ginecológicas por ano.

O que é bartolinite?

A bartolinite é a infecção da glândula de Bartholin e de seu ducto, que pode evoluir para formação de abscesso.

As glândulas de Bartholin (também chamadas de glândulas vestibulares maiores são homólogas femininas das glândulas bulbouretrais no homem.

Elas estão localizadas na vulva, uma de cada lado, e sua principal função é secretar muco para fornecer lubrificação vaginal e vulvar. 

Patogênese  

Se o orifício do ducto de Bartholin ficar obstruído, o muco produzido pela glândula se acumula, levando à formação de um cisto proximal à obstrução.

A obstrução geralmente é causada por edema vulvar local ou difuso contribuindo para a proliferação de microorganismos, mas os cistos de Bartholin geralmente são estéreis. 

No entanto, um ducto de Bartholin obstruído pode infeccionar e formar abscessos. Os patógenos mais frequentes envolvidos na infecção são:

  • Chlamydiatrachomatis
  • Neisseriagonorrhoeae
  • Escherichia coli
  • bactérias presentes na microbiota vaginal

Veja também o nosso conteúdo completo sobre candidíase vulvovaginal!

Quadro clínico

Um cisto de Bartholin geralmente é indolor e pode ser assintomático. A maioria dos cistos de Bartholin é detectada durante um exame pélvico de rotina ou pela própria paciente. Cistos maiores podem causar desconforto ao caminhar e dispareunia. 

No entanto, quando há infecção associada (bartolinite propriamente dita), o quadro clínico inicial se apresenta com uma massa com superfície eritematosa, com consistência lenhosa, que torna abaulado o pequeno lábio vaginal correspondente ao lado afetado, com temperatura local elevada e muita dor ao toque. 

Em casos mais avançados, como na formação de abscessos, geralmente as pacientes se apresentam com dor e inchaço tão intensos que os pacientes têm dificuldade ou impossibilidade de andar e sentar, além de dispareunia e febre. 

Como é feito o diagnóstico da bartolinite?

O diagnóstico da bartolinite é clínico, a partir da:

  • História clínica
  • Exame físico

Para se ter um diagnóstico mais preciso, um esfregaço em lâmina, uma cultura bacteriana que vise identificar o germe patogênico e uma análise da urina podem ser solicitados, mas não devem atrasar a introdução do antibiótico quando necessário. 

Tratamento da bartolinite 

No processo inflamatório inicial da Bartolinite estão indicados antibióticos cujo uso se estende por 14 dias e que podem ser escolhidos entre Doxiciclina (100mg VO 12/12h), Ofloxacina (400mg VO 12/12h), Levofloxacina (500mg VO 12/12h) ou Metronidazol (400mg VO 12/12h). Cistos assintomáticos não requerem tratamento. 

Formado o abscesso, indica-se sua drenagem. A incisão é feita na face interna do pequeno lábio, em forma de X e deverá promover a marsupialização da glândula. Se a massa for grande o suficiente, a colocação de um cateter Word está indicado. O alívio imediato da dor ocorre na drenagem de pus. 

Em alguns casos, um abscesso se rompe e drena espontaneamente. Esses pacientes podem precisar apenas de analgésicos ou imersão da área genital com compressas quentes ou com banhos de assento.

Sugestão de leitura complementar