Psiquiatria

Transtorno de personalidade borderline

Transtorno de personalidade borderline

Compartilhar

Sanar Pós Graduação

8 min há 14 dias

O Transtorno de Personalidade Borderline (TPB) consiste em um distúrbio que possui como principais manifestações padrões de instabilidade e disfunção nos domínios emocional, comportamental, cognitivo e interpessoal.

Esses sintomas se acentuam por volta dos 14 aos 17 anos que, concomitantemente, corresponde ao período da adolescência em que o jovem experimenta mudanças significativas na consolidação da sua identidade, influenciada por suas relações familiares e sociais.

A prevalência média do transtorno da personalidade borderline na população é estimada em 1,6%, embora possa chegar a 5,9%. Essa prevalência é de aproximadamente 6% em contextos de atenção primária, de cerca de 10% entre pacientes de ambulatórios de saúde mental e de por volta de 20% entre pacientes psiquiátricos internados.

Sintomas Transtorno de personalidade borderline

O transtorno de personalidade borderline é caracterizado por um desequilíbrio do psiquismo humano em seus diversos aspectos intensificando os sentimentos o humor e o comportamento do sujeito. Sua angústia o move a comportamentos impulsivos e explosivos sem que o mesmo a perceba, o que a torna muitas vezes imprevisível até para si mesmo.

Os pacientes com Transtorno de personalidade borderline desenvolvem em sua personalidade traços marcantes como impulsividade, instabilidade afetiva, sentimentos de vazio, situações de raiva intensa e sintomas dissociativos, que podem se manifestar, muitas vezes, em comportamentos autodestrutivos na tentativa de sanar as suas aflições. Nesse contexto, a automutilação surge como forma de redirecionamento dos sentimentos e alívio das angústias, sendo mais frequente dentre os adolescentes portadores de transtorno de personalidade borderline (95,2%), na qual 65,4% praticaram a automutilação mais de 25 vezes e 53,9% mais de 50 vezes durante suas vidas.

Diagnóstico Transtorno de personalidade borderline

Para o diagnóstico do transtorno de personalidade limítrofe, os pacientes devem ter

  • Instabilidade persistente nos relacionamentos, na autoimagem e nas emoções (desequilíbrio emocional), bem como acentuada impulsividade.

Esse padrão é caracterizado por ≥ 5 dos seguintes:

  1. Esforços frenéticos no sentido de evitar um abandono real ou imaginário;
  2. Um padrão de relacionamentos interpessoais instáveis e intensos, caracterizado pela alternância entre extremos de idealização e desvalorização;
  3. Perturbação da identidade: instabilidade acentuada e resistente da auto-imagem ou sentimento de self;
  4. Impulsividade em pelos menos 2 áreas potencialmente prejudiciais à própria pessoa;
  5. Recorrência de comportamentos, gestos ou ameaças suicidas ou de comportamentos automutilantes;
  6. Instabilidade afetiva devido a acentuada reatividade do humor;
  7. Sentimentos crônicos de vazio;
  8. Raiva inadequada e intensa ou dificuldade em controlar a raiva;
  9. Ideação paranoide transitória e relacionada ao estresse ou graves sintomas dissociativos;

Tratamento Transtorno de personalidade borderline

O tratamento geral do transtorno de personalidade borderline é o mesmo que para todos os transtornos de personalidade a partir da psicoterapia e tratamento medicamentoso.

A psicoterapia mais utilizadas no tratamento é a terapia cognitivo-comportamental. Pode ser realizado também nas consultas, os Sistemas de treinamento para previsibilidade emocional e resolução de problemas (STEPPS). O STEPPS é feito em sessões semanais em grupo durante 20 semanas. Os pacientes adquirem habilidades para gerenciar suas emoções, questionar suas expectativas negativas e cuidar melhor de si mesmos. Aprendem a estabelecer metas, evitar substâncias ilícitas e melhorar seus hábitos alimentares, de sono e de exercícios. Os pacientes são convidados a construir uma rede de apoio de amigos, familiares e profissionais de saúde que estejam dispostos a ajudar em caso de crise

Os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) geralmente são bem tolerados; a probabilidade de uma overdose letal é mínima. Mas ISRSs só são marginalmente eficazes para depressão e ansiedade em pacientes com transtorno de personalidade borderline.

Os fármacos a seguir podem ser eficazes para atenuar os sintomas do transtorno de personalidade borderline:

  • Estabilizadores de humor como a lamotrigina: para depressão, ansiedade, labilidade de humor e impulsividade
  • Antipsicóticos atípicos (de 2ª geração) : para ansiedade, raiva e sintomas cognitivos, incluindo distorções cognitivas transitórias relacionadas a estresse (p. ex., pensamentos paranoicos, pensamento maniqueísta, desorganização cognitiva grave)
  • Benzodiazepínicos e estimulantes não são recomendados por causa dos riscos de dependência, overdose, desinibição e uso inadequado.

Em casos de pacientes com diagnóstico de TPB, aconselha-se uma abordagem multidisciplinar para o caso, pois, se faz necessário o acompanhamento médico, psiquiátrico, psicológico, nutricional, dentre outros que possam vir a colaborar para o desenvolvimento de um bom prognóstico.

Saiba mais sobre Psiquiatria!

Seu sonho é ser psiquiatra e prestar prova de título? Mas qual a melhor forma de se aprofundar?

Perguntas Frequentes:

1 – O que é?

O transtorno de personalidade borderline é caracterizado por um padrão generalizado de instabilidade e hipersensibilidade nos relacionamentos interpessoais, instabilidade na autoimagem, flutuações extremas de humor e impulsividade.

2 – Como é feito diagnóstico?

Ele é feito a partir dos critérios clínicos do DSM-5. Como é feito o tratamento? A partir de psicoterapia e tratamento farmacológico principalmente com antidepressivos e estabilizadores de humor.

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.