Psiquiatria

Resumo de transtorno esquizoafetivo | Ligas

Resumo de transtorno esquizoafetivo | Ligas

Compartilhar

Introdução

O transtorno esquizoafetivo se caracteriza por apresentar elementos tanto da esquizofrenia quanto das alterações de humor. A terminologia de transtorno esquizoafetivo foi introduzida em 1933 por Jacob Kasanin para designar pacientes com sintomas esquizofrênicos e de transtornos de humor, frequentemente, de início súbito durante a adolescência. A tendência geral era de um funcionamento pré-mórbido adequado com estressor específico desencadeante dos sintomas. A história familiar costuma incluir transtornos de humor.

A prevalência do transtorno esquizoafetivo é de menos de 1% ao longo da vida, mas a estimativa pode ser imprecisa porque estudos diferentes divergem no critério diagnóstico sendo que, na prática clínica, o diagnóstico costuma ser atribuído aos pacientes de incerteza diagnóstica. A diferença de incidência por sexo e idade é semelhante àquela dos transtornos de humor, afetando homens e mulheres igualmente em casos de subtipo bipolar e duas vezes mais frequentes em mulheres para o subtipo depressivo. Na variação de idade, o subtipo depressivo afeta pessoas mais velhas, enquanto o subtipo bipolar é mais comum em jovens adultos. O transtorno costuma iniciar mais tardiamente nas mulheres, assim como na esquizofrenia.

O prognóstico costuma ser melhor, quando comparado aos pacientes esquizofrênicos, mas pior àqueles com transtorno de humor. Costumam apresentar quadro menos deteriorante que a esquizofrenia e respondem melhor ao lítio.

Etiologia e Classificação

A causa do transtorno é desconhecida. Acredita-se que pode se tratar de um subtipo de esquizofrenia, de transtorno de humor ou ainda uma combinação de ambos os transtornos ou, além disso, uma combinação de sintomas de humor com psicose não esquizofrênica. As evidências atuais apontam para um grupos heterogêneo de transtornos que podem incluir todas essas situações.

Acredita-se em um componente genético e familiar que relaciona a esquizofrenia com os transtorno de humor. Nesse sentido, uma mutação do gene da esquizofrenia 1 (DISC1), no cromossomo 1q42 parece estar envolvida tanto nos transtornos esquizofrênicos como nos transtornos bipolar e esquizoafetivo.

Do ponto de vista da classificação diagnóstica, os pacientes podem ser divididos em 6 grandes grupos: 1) pacientes esquizofrênicos com sintomas de transtornos do humor, mas que não fecham critério para o segundo; 2) pacientes com transtorno de humor com sintomas esquizofrênicos, mas que não fecham critério para o segundo; 3) pacientes com transtorno de humor e esquizofrenia, com critério para ambos; 4) pacientes com transtorno de humor e sintomas psicóticos não relacionadas à esquizofrenia; 5) pacientes com um transtorno intermediário entre transtorno de humor e esquizofrenia; e 6) pacientes com uma combinação não especificado de uma das categorias anteriores.

Diagnóstico e características clínicas do transtorno esquizoafetivo

Os critérios para diagnóstico do DSM-V exige uma período ininterrupto de episódio depressivo ou maníaco que cursa simultâneo com algum dos critérios do grupo A para esquizofrenia, bem como presença de delírios ou alucinações por 2 semanas na ausência de episódio de humor. Os sintomas de alteração de humor devem estar presentes na maior parte da duração das fases ativa e residual da doença. Ademais, deve-se excluir o efeito de substâncias como causa dos sintomas.

O diagnóstico diferencial deve ser feito com todos os transtornos de humor e esquizofrenia. Os sintomas esquizofrênicos devem ter diagnóstico diferencial com as psicoses de causa orgânica ou induzido por substâncias. Outras condições clínicas devem ser excluídas, bem como anormalidades neurológicas evidenciadas por exames de imagem, eletroencefalograma, sendo que o último pode evidenciar alterações convulsivas, como epilepsia de lobo temporal.

Tratamento do transtorno esquizoafetivo

O uso de estabilizadores de humor constitui o centro da terapêutica nos transtornos esquizoafetivos de subtipo bipolar, com boa resposta ao lítio e carbamazepina. No subtipo depressivo, a carbamazepina apresenta resposta melhor. Esses agentes podem ser combinados com antipsicóticos, sendo que episódios maníacos merecem tratamento agressivo, com estabilizadores de humor em alta dose terapêutica, podendo ser reduzida nas fases de manutenção, o que reduz efeitos sistêmicos e melhora a adesão. O monitoramento das concentrações plasmáticas, bem como a avaliação de função tireoidiana, renal e hematológica devem ser realizados periodicamente, especialmente quando em uso de carbonato de lítio.

Nos casos de episódios maníacos não responsivos ao tratamento medicamentoso, assim como no transtorno bipolar, deve-se considerar o uso de eletroconvulsoterapia.

O subtipo depressivo também pode ser tratados com aqueles agentes antidepressivos usualmente utilizados no transtorno depressivo maior, mas deve-se ter cuidado com a possibilidade de viradas maníacas. Nesse viés, os inibidores seletivos de recaptação de serotonina são considerados como tratamento de primeira linha em função de sua boa respostas e menor perfil de efeitos colaterais, mas agentes tricíclicos podem ser benéficos para pacientes com agitação ou insônia.

Autores, revisores e orientadores

  • Área: Psiquiatria
  • Autor(a): Vinícius Uler Lavorato
  • Revisor(a): Daniel de Sabóia Oliveira
  • Orientador(a): Dra. Laír da Silva Gonçalves
  • Liga: Liga Acadêmica de Psiquiatria do Distrito Federal – LIPSI/DF

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.