Carreira em Medicina

Achados clínicos no AVC

Achados clínicos no AVC

Compartilhar
Imagem de perfil de Prática Médica

Os achados clínicos no paciente com AVC podem ser diversos, visto que os sintomas variam conforme o território arterial acometido. Isso torna o seu diagnóstico, por vezes, desafiador, embora seja um evento de alta prevalência.

Escala de AVC de Cincinatti

escala de Cincinnati é uma escala de avaliação pré-hospitalar utilizada para diagnosticar a presença de um acidente vascular encefalico (AVE).

Resultado de imagem para escala de sintoma do avc
Protocolo de atendimento do SAMU
Resultado de imagem para escala de sintoma do avc

Achados clínicos no AVCi

No AVCi a artéria mais acometida, geralmente, é a artéria cerebral média (ACM). Lesões vasculares em seu território geram os sintomas clássicos de AVC:


• Alterações de fala/linguagem (disartria/afasia);
• Paresia (fraqueza) ou plegia/paralisia (perda total da força), que pode ser
tanto de membros quanto facial.

Fonte: Medicina de emergências: abordagem prática

território vertebro basilar também é conhecido como “circulação posterior” e dá origem às artérias que irrigam tronco encefálico, cerebelo e
parte do lobo occipital (artéria cerebral posterior- ACP). O território carotídeo também é conhecido como “circulação anterior” e dá origem às artérias cerebrais média (ACM) e anterior (ACA). Os AVCs de circulação posterior (território vertebro basilar e seu ramo ACP) são os que possuem quadro clínico mais desafiador, visto que o paciente pode se apresentar na emergência apenas com tontura e alteração na marcha de instalação súbita.

É importante investigar hipertensão arterial, DM, dislipidemias, cardiopatias, tabagismo, uso de anticoncepcionais, drogas – cocaína e anfetaminas, ocorrência recente de outro AVC, trauma craniano ou cirurgias recentes, sangramentos, doenças hepáticas e renais, uso de anticoagulante e neoplasias.

No AVCi é frequente observar aumento da PA, devido a liberação de catecolaminas, cortisol e ACTH. Isso contribui para a manutenção de uma pressão de perfusão cerebral menos nociva à zona de penumbra.

Achados clínicos no Ataque isquêmico transitório (AIT)

  • Antiga definição: sinais e sintomas regridem em até 24horas;
  • Maioria dos casos: duram de 8 a 14 minutos;
  • Deve ser corroborado com neuroimagem, para descartar lesão isquêmica encefálica recente (LIER);
  • LIER+ completa regressão dos sintomas neurológicos: AVC “menor” ou “pequeno icto”.

Achados clínicos no AVC hemorrágico (HIP e HSA)

  • HIP: déficit neurológico focal súbito acompanhado, muitas vezes, por náuseas, cefaleia, vômitos, redução do nível de consciência e níveis pressóricos bastante elevados e crise convulsiva.
  • HSA: cefaleia súbita, intensa e holocraniana. Náuseas, vômitos, tonturas e sinais de irritação meníngea, déficits motores, sensitivos, distúrbios da linguagem, crises convulsivas e alteração dos nervos cranianos.

Exame físico do paciente com suspeita de AVC

  • O tempo de evolução do déficit focal neurológico é informação fundamental para algumas decisões terapêuticas;
  • Estado de hidratação, oxigenação, FC, FR, ritmo e ausculta cardíaca;
  • Nível de consciência reavaliado periodicamente- pode necessitar de IOT;
  • Pressão arterial periodicamente avaliada;
  • Exame de fundo de olho;
  • Palpação de pulsos carotídeos, temporais e periféricos (diagnóstico de estenoses arteriais).

Complemente seu raciocínio clínico aprendendo sobre tipos de AVC. Melhore seu atendimento aprendendo sobre AVC isquêmico e veja o código do AVC no CID-10.

Veja também quais exames solicitar no paciente com AVC, aprenda quais são os sinais precoces do AVC na TC, assim como o escore ASPECTS para AVC isquêmico agudo.

Saiba os pontos principais no AVC hemorrágico e especificamente na Hemorragia subaracnóidea espontânea (HSA), a conduta no AVC isquêmico e hemorrágico, quais são os achados da TC de um paciente com suspeita de AVC isquêmico, como prevenir um novo episódio de AVC e muito mais.

Invista em sua carreira médica

Prepare-se para os seus plantões com a Pós em Medicina de Emergência. Com aulas online e ao vivo, você pode estudar quando e onde quiser, sem abrir mão da sua carreira!

Baixe agora o Conteúdo Programático da Pós em Medicina de Emergência e conheça mais.

Referências

  1. Medicina de emergências: abordagem prática / Herlon Saraiva Martins, Rodrigo Antonio Brandão Neto, lrineu Tadeu Velasco. 11. ed. rev. e atual. Barueri, SP: Manole, 2017.
  2. Oliveira, CQ, Souza, CMM, Moura, CGG. Yellowbook: Fluxos e condutas da medicina interna. SANAR, 1ª ed, 2017.
  3. Martins H S, Santos R , Arnaud F et al. Medicina de Emergência: Revisão Rápida. 1ª edição. Barueri, SP: Manole, 2016.
  4. 2018 Guidelines for the Early Management of Patients With Acute Ischemic Stroke: A Guideline for Healthcare Professionals From the American Heart Association/American Stroke Association;